Terrorismo?

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Vi no Orkut um comentário que motivou a elaboção deste post. Uma pessoa escreveu o seguinte, em um tópico que tratava do grau de dificuldade da 2ª fase:

"Deixei de frequentar o blog do Dr. Maurício porque ele faz terrorismo, dizendo que a prova vai ser difícil..."

Também me acusaram de pessimista quando eu disse que só anulariam duas questões neste Exame. Esse tópico inclusive gerou uma briga na nossa comunidade no Orkut.

Existe uma espécie de "consenso coletivo" no sentido de que o pensamento tem de ser positivo, que tudo vai dar certo, que as coisas têm de seguir uma lógica de justiça. Se você não compactua com essa mentalidade é um agourento, um baixo-astral...um "terrorista", além de não ter lido "O Segredo".

Vamos então botar alguns pingos nos "is", sem segredos.

Primeiramente, seria da minha parte uma tarefa masoquista editar um blog para angariar uma fama tão indesejável, ainda mais fazendo-o na condição de um profissional do Direito. Eu estaria blogando para solapar a minha própria imagem. Ninguém, obviamente, faz isso.

Depois, tenham em mente que o Exame de Ordem é o que é: Uma seleção difícil, que reprova muita gente. Podemos debater longamente se a prova é justa ou não, se quem estuda passa, se é reserva de mercado, se avalia ou não conhecimento, se, se... A verdade é que, sistematicamente, exame após exame, um baixo percentual de bacharéis por todo o Brasil conseguem a tão sonhada aprovação. O Exame de Ordem não pode ser uma seleção fácil ou mesmo simples sob essa constatação.

Se não é simples, não se pode ver o que acontece em torno do Exame com olhos compassivos e indulgentes. Alguém por acaso achou justo que apenas duas questões tenham sido anuladas? Eu não achei. Mas isso também não surpreendeu (ao menos a mim). Uma coisa é o justo, outra é o que de fato ocorre. Assim sendo, eu prefiro ser pragmático.

É terrorismo dizer que a 2ª fase vai ser difícil? Claro que não! Se eu disse isso, qual deve ser a postura de quem lê diariamente o Blog? Simples: Estudar. Estudem como se a prova fosse terrivelmente difícil; mortalmente difícil. Por que se for, vocês estarão preparados, se não for, vocês vão fazê-la com uma mão só, com os pés nas costas e os olhos vendados. Preparem-se para o pior, e não para o melhor - só assim vocês estarão preparados para tudo o que vier. Esse é o "segredo"!!!

Tenho notado uma tendência da prova ser mais difícil quando o percentual de aprovados na primeira fase é maior que o habitual. Por isso acredito que a 2ª fase será difícil - tivemos um percentual maior de aprovados no atual Exame em relação ao passado. Essa é a lógica norteadora da prova. Uma pergunta nasce dessa constatação: Como o Exame é elaborado?

O Cespe tem uma base de dados composta por milhares de questões, catalogadas de acordo com seus respectivos graus de dificuldade: fácil, mediana e difícil. A prova é composta de tal forma, valendo-se do grau de dificuldade de cada grupo de questões, que um percentual de aprovados já é previamente esperado. Não se iludam, nada é deixado ao acaso. O Cespe é (gostem ou não) a maior organizadora de concursos do Brasil, e eles são muito profissionais. Em suma: Tudo ocorre dentro do "script" rabiscado pelo Cespe.

As provas da 1ª e 2ª fase são entregues ao mesmo tempo para a OAB, MAS já existe uma previsão do percentual de aprovados ao final de todo o processo.

Vejam só as estatísticas dos últimos exames:

1.2008

Total geral de aprovados na 1ª fase em relação ao número inscritos: 32.64%

Total geral de aprovados (1ª e 2ª fases em relação ao número inscritos): 28.87%

2.2008

Total geral de aprovados na 1ª fase em relação ao número inscritos: 48,00%

Total geral de aprovados (1ª e 2ª fases em relação ao número inscritos): 30,22%

3.2008

Total geral de aprovados na 1ª fase em relação ao número inscritos: 35,72%

Total geral de aprovados (1ª e 2ª fases em relação ao número inscritos): 27,35%

1.2009

Total geral de aprovados na 1ª fase em relação ao número inscritos: 21,88%

Total geral de aprovados (1ª e 2ª fases em relação ao número inscritos): 19,48%

2.2009

Total geral de aprovados na 1ª fase em relação ao número inscritos: 38,7%

Total geral de aprovados (1ª e 2ª fases em relação ao número inscritos): ???????


Observem que o número final de aprovados é relativamente homogêneo entre os exames, mas o percentual de aprovados na 1ª fase sofre alterações bem mais significativas. Vejam que o Exame 2.2008 teve 48% de aprovados na 1ª fase, percentual bem superior aos 38,7% do Exame 2.2009 (o atual), e mesmo assim o percentual final ficou muito próximo aos dos demais Exames.

Quando afirmo que a 2ª fase será difícil, não o faço por achismo ou terrorismo. É um prognóstico natural observando-se a evolução de dados estatísticos.

Eu espero, de coração, estar errado, assim como esperava que mais questões tivessem sido anuladas nesta 1ª fase, mas não se pode fechar os olhos aos dados. A 2ª fase terá um grau de dificuldade tal que trará o número percentual de aprovados a um patamar semelhante aos dos Exames anteriores.

Somente muito planejamento e estudos detalhados permitem que percentuais de aprovação finais tão aproximados ocorram em cada Exame da Ordem. Como eu disse, a prova é difícil, estrategicamente bem planejada e conduzida por quem entende de concursos.

Espero que entendam que a linha editorial do Blog Exame de Ordem não é conduzida no sentido de se fazer "terrorismo" com os bacharéis. Procura-se aqui retratar a realidade tal como ela se apresenta, ajudando os candidatos a se posicionarem da melhor forma possível diante dos fatos. Se os fatos ou prognósticos não são favoráveis, aí é algo que foge da minha alçada. Só não vou pintar de rosa uma realidade cinza-escura.

Só por curiosidade, existe um movimento contrário ao Exame de Ordem, o Movimento Nacional do Bacharéis de Direito - MNBD, que combate de todas as formas a prova da OAB. Tal movimento não existiria se o exame fosse um passeio no parque; e a visão deles sobre a prova não é nem um pouco indulgente. Pergunto aqui se vocês conhecem outro processo seletivo que desperta tantos antagonismos? Nem o ENEM tem esse potencial. Pensem nisso.

Só para arrematar: Aproximadamente 4 milhões de bacharéis não passaram na OAB. É um número assustador.

Bom, dito tudo isso, vamos tratar das anulações que ocorreram na semana passada.

Recebi muitos e-mail e muitos comentários, e simplesmente não dá para responder todos de forma individualizada. Peço desculpas por esse incoveniente. Vou tentar responder o que for possível aqui mesmo.

1 - Vale a pena entrar com um MS?

Sempre vale a pena lutar pelos seus direitos, por menor que seja a probabildiade de sucesso. Quanto mais se lutar, melhor a OAB e o Cespe ao longo do tempo irão conceber a prova.

2 - Um MS no presente exame tem chances de prosperar?

Remotas chances. Vejam uma postagem antiga do Blog, que traz um apanhado de ementas sobre o tema em questão: Jurisprudência para fundamentar Mandado de Segurança. Vocês entenderão a linha jurisprudencial predominante sobre o assunto.

De toda forma, há sempre uma probabilidade de se obter sucesso em eventual MS. Ponderem com calma, avaliem custos, tempo, capital psicológico e tomem uma decisão.

3 - Existe modelo de MS?

Sim! Modelo completo de mandado de segurança. Só que esse MS foi elaborado em outubro do ano passado, ou seja, está desatualizado em relação à nova Lei do MS.

De toda forma, estou pensando em adaptar esse modelo para a nova Lei ainda nessa semana, já com fundamentação para anular pelos menos duas questões da presente prova. Uma será a questão nº 1, que é uma vergonha, e a outra ainda estou pensando.

E sim! Disponibilizarei o novo modelo aqui no Blog para todos vocês. Espero terminá-lo até quarta ou quinta-feira dessa semana.

4 - Pode cair um recurso de revista na prova trabalhista?

Pode cair qualquer recurso em qualquer tipo de prova! Vejamos o edital:

7 DOS OBJETOS DE AVALIAÇÃO (HABILIDADES E CONHECIMENTOS)

(...)

13) Reclamação Trabalhista. Defesa Trabalhista. Recurso Ordinário.

(...)

30) Recursos em geral.


O item 30 do ponto 7 do edital permite que todo tipo de recurso seja exigido na prova. Na área trabalhista podem pedir agravo regimental no TST, agravo de instrumento, recurso de revista e até mesmo recurso extraordinário em matéria trabalhista. Altamente improvável, mas possível, e sem violar o edital.

Bom...para terminar, tenham em mente que o Exame da OAB é mais um passo dentro de um mercado muito saturado e competitivo. A OAB diz que a prova serve para aferir conhecimentos mínimos do bacharéis. Eu tenho as minhas dúvidas. Vejam só o desempenho dos bacharéis do Estado de São Paulo nas últimas 3 provas objetivas:

Exame 139 (último antes da unificação): 48,97% de aprovados na 1ª fase

Exame 1.2009: 12% de aprovados na 1ª fase

Exame 2.2009: 31,4% de aprovados na 1ª fase

O que justificaria tal discrepância? Os bacharéis do Exame 139 eram mais capazes do que os do Exame 1.2009? Os aprovados agora no Exame 2.2009 são mais preparados do que os do Exame 1.2009 mas menos em relação aos bacharéis do Exame 137?

Nenhuma das assertivas acima podem ser verdadeiras...

Tais variações servem apenas para demonstrar um fato: O conceito de capacidade mínima para advogar é completamente subjetivo e varia de acordo com o humor da banca avaliadora.

É fácil perceber que não existe uniformidade no grau de dificuldade da prova: O que afinal se está avaliando? Capacidade real de se advogar ou se pretende apenas restringir o mercado?

Acredito piamente que a OAB não faz a menor idéia do que ela realmente quer para o Exame de Ordem. Ainda não foi capaz de estabelecer com clareza qual o conceito exato de "mínima capacidade para se advogar". O resultado é uma prova cujo grau de dificuldade varia de acordo com critérios absolutamente obscuros. Vejam só! As questões são anuladas em uma reunião, só se fundamentando as próprias questões anuladas. Cadê o fundamento pela não anulação da questão nº 1?

Não seria demais supor que as anulações obedecem a um critério discricionário, quando deveriam ser apenas por critérios técnicos.

Claro! Se tivessem anulado 7 ou 8 questões o percentual de aprovados na 1ª fase teria sido tão alto que o percentual final de aprovados no Exame 2.2009 sairia da faixa 27% a 30% de aprovados finais em cada Exame, tal como mostrei mais acima.

Bom...eu poderia escrever muito sobre esse tema, mas aí minha noite ficaria curta demais. Um dia talvez a OAB faça luz sobre essas indagações. Só resta aguardar.

33 comentários:

mara,  13 de outubro de 2009 01:03  

Amei tudo que vc colocou e digo mais, não cancelaram a questão número 1, porque sou uma pessoa muito protegida, muito espiritualizada, com uma anulação já entrei para a segunda fase, se anulassem a questão que me referi entraria do mesmo jeito, você está certíssimo quando diz que devemos imaginar que seja difícil, assim nos dedicamos e estudamos, o não sempre temos vamos em busca do sim, obrigada

Juliano,  13 de outubro de 2009 02:22  

Mauricio

Essa questão nº 1 me deixou puto dos cornos!

Eu fui um dos que analisei na questão do "justo motivo para embreaguez" e errei.

Consegui passar na primeira fase sem qualquer tipo de recurso, mas por favor, a não anulação da questão 1 me revoltou!

Como eu li em outro blog, o que seria um justo motivo para viver "bebaço", a sogra passando uma semana na tua casa? a mulher com dor de cabeça por uma semana seguida?

O Exame de Ordem não avalia os conhecimentos juridicos de cada bacharel, mas sim a capacidade de memorização do texto legal, o que, sinceramente, não irá auxiliar muito na vida profissional!

Eu aguardo anciosamente uma mudança por parte da OAB quanto a esta prova!

Ao editor do blog, meus sinceros parabéns, realmente o conteúdo de tal página é de fundamental importância para os acadêmicos de direito!

Até mais, e sorte aos que dia 25 estarão suando frio em frente a um monte de papel!

Professor Morgado 13 de outubro de 2009 08:22  

Prezado Maurício,

é fato que leciono para os Exames desde o fim de 1999 e a Disciplina de Deontologia Jurídica desde 1998.

Em eu Blog realizo - assim como você -crestrições em relação a indicação.

Se não fosse sério, nem você nem o Fábio estariam entre os Blogs que recomendo.

Não há como duvidar de sua seriedade.

Não ligue para comentários bobos.
TODA UNANIMIDADE É BURRA, disse o maior dramaturgo de nosso país. Concordo.

Atenciosamente,

ROBERTO MORGADO - RJ
www.profmorgado33.blogspot.com

Anônimo,  13 de outubro de 2009 08:39  

Dr. Maurício, o senhor já tem alguma coisa sobre o exame de MG? principalmente no que tange a peça que caiu em trabalho?
Obrigada

Boa semana

Anônimo,  13 de outubro de 2009 09:16  

Concordo com o Dr. Maurício, quando a 1ª fase é mais fácil a 2ª é mais dificil, e vice e versa.
Passei no exame 1.2009, e como vocês viram, pelo percentual de aprovação na 1ª fase (12%), foi baixo, ou seja, estava muito dificil.
Já a 2ª fase (eu fiz de Trabalho) foi bem mais fácil...(depois que eu terminei a prova, e pude respirar e analisar a prova com calma, é que pude perceber que estava fácil, é claro! ehehehe Porque, na hora tudo é dificil!)

Mas é isso aí....o importante é estudar bastante, só assim o dificil vai se tornar fácil. Boa prova pra todos que estão nessa luta! Não se deixem desanimar, falta pouco!

Joana Ribeiro,  13 de outubro de 2009 10:20  

Terrorismo? Provavelmente o mané q disse isso nem saiba o real significado da palavra...passar maozinha na cabeça e negar a realidade nao vai levar ninguem à aprovação!Continue com seu blog da mesma forma e não se importe com comentários desse nível, q nada têm a acrescentar!!

Anônimo,  13 de outubro de 2009 10:55  

Eu vou fazer civil, e se sguir a logica do 2008.2 ta bom, a segunda fase foi uma indenizatoria!!!

Larissa 13 de outubro de 2009 11:33  

a palavra eh MEDOOOOO!!! tah todo mundo com muito medo, mesmo!!
Principalmente aqueles que nao estao estudando (como eu), por quaisquer que sejam os motivos (trabalho, doenca, preguica, etc, no final da tudo na mesma!)
Claaaaro, que todo mundo adoraria encontrar uma palavra acolhedora do aqui, do tipo "RELAXEMM, tah tudo dominado!" mas eh claro que o blog TEM QUE ser real, nada a ver com terrorismo!
Eu escolhi tributario...e tipo, sinceramente (sei lah se acredito nisto mesmo, ou se QUERO MTO acreditar) que por ser uma materia complicadinha (pra grande maioria, eh) eles nunca ferram muito na segunda fase. Jah caiu contestacao (pra defender o Fisco, e foi o fim) mas foi uma excecao.
Creio que caira embargos.
O que o senhor acha?

(meu teclado tah totalmente desconfigurado, como deu pra perceber!!)

Obrigada!!!

Anônimo,  13 de outubro de 2009 11:50  

Olha, esse final de semana fiz o simulado de pratica civil no meu curso aqui em Curitiba-PR. A peça que eles colocaram no simulado foi uma aposta mt boa. Um interdito proibitório em que vc seria procurador da CEF, ou seja, com competência da JF. Gostei, pq esta relacionado com o que está acontecendo atualmente. aposto nessa peça para civil

Anônimo,  13 de outubro de 2009 12:15  

Dr. Maurício,

tenho a certeza que os que escreveram isto não tem idéia da grandeza e seriedade do trabalho conduzido por vossa senhoria à frente do BLOG. Já havia dito isso em um tópico da comunidade, e venho aqui ratificar meus dizeres: só temos à agradecer pelo serviço voluntário e solidário prestado pelo senhor. Não deixe que as vozes equivocadas e ignorantes de um minoria, o calem.

Talvez, muitos não mensuram o quão trabalhoso é manter um blog desse nível, sempre atualizado, com informações das mais relevantes possíveis para quem irá prestar o tão temido exame da ORDEM. Talvez esquecem ainda que o senhor é advogado, e, certamente, priva-se muitas vezes de projetos pessoais e profissionais para dar atenção ao BLOG, ajudando um número "x" de pessoas que sequer são suas amigas ou que sequer sabe que existem. Mas o faz. E faz, com excelência.

Frequento o BLOG desde o começo do ano. Passei no exame de 1.2009, sem cursinho, e até mesmo antes de me formar. O BLOG sempre foi meu grande norte. E lhe digo, até hoje sou assíduo na comunidade e leitor dos posts aqui veiculados. E posso afirmar com a máxima tranquilidade, não me lembro jamais de ter lido um tópico do senhor sem uma base de argumentação sólida, alicerçada sempre por dados e fatos.

À todos que conheço, indico seu BLOG, só tendo elogios a tecer.

Não poderia jamais me calar diante do que li esse manhã. Há muito, gostaria de lhe dizer essas palavras como forma de agradecimento, em nome de todos, que de alguma forma foram ajudados por esse BLOG, notadamente, por quem o escreve.

Obrigado, Dr. Maurício. Sinto-me orgulhoso de fazer parte do BLOG, e hoje, ser seu colega de trabalho.

Abraço, Thadeu Alencastro.

Anônimo,  13 de outubro de 2009 13:58  

Gostaria de saber o seguinte: Qual o verdadeiro motivo da existência do exame?
não vale dizer que é por causa das faculdades, e nem pelo número,que muitos julgam excessivo, de advogados.
Também não vale dizer que é para medir a capacidade jurídica do" examinando" ( horrível ,essa palavra).
Qual o motivo político para a existência do exame: O que o FHC prometeu a OAB?

Por que o "neguinho" do morro não pode mais ser advogado, e defender o vizinho traficante?

Terrorista,  13 de outubro de 2009 14:08  

Terrorismo é ver um "criado com avó" dizer uma coisa dessas. Se uma pessoa que já tem a Carteira da Ordem, que em nada mais pode ser atingido pelo exame se propõe a fazer um blog para auxiliar os estudantes ainda é obrigado a se deparar com esse tipo de comentário é porque uma pessoa dessas que o chama de terrorista nunca deve ter passado por uma dificuldade como é o Exame de Ordem e quando faz, VÊ A BARRA QUE É.
Vou acrescentar o que o professor Maurício falou: A prova não só vai ser mais difícil, como a correção será bem mais inescrupulosa do que tem sido. Vou fazer a prova pela 2ª vez (em Direito Administrativo), simplemente ignoraram as mimhas respostas dizendo que eu não fundamentei, que nao aproveitei bem as linhas, que não coloquei dourina (mesmo tendo TRÊS), meu recurso foi só pra dizer em quais linhas estava a resposta que o "espelho" queria e mesmo assim não me devolveram um décimo sequer.

Agora vou parar por aqui antes que o FBI e a Interpol me rastreem.

Anônimo,  13 de outubro de 2009 14:11  

Ocorre que há pessoas que querem encontrar alguma coisa para justificarem seus fracassos. É simples assim.

Anônimo,  13 de outubro de 2009 14:14  

Fico imaginando o Dr. maurício ficar escrevendo o tempo todo que a prova será fácil e no dia o CESPE aplicar uma prova difícil. O que essa pessoa iria dizer? Francamente.

.:.Tatá.:. 13 de outubro de 2009 14:16  

Dr. Maurício, eu acho seu blog o máximo, infelizmente ainda não passei no exame de ordem, porém leio todos os "posts" e concordo que são de extrema importância.
Além do que, acredito que muitas pessoas se beneficiam com suas dicas e comentários.
Mais uma vez, parabéns! E obrigada por preocupar-se conosco!
Thais Severo Soares

Felipe Sant'Anna 13 de outubro de 2009 14:37  

Ótima postagem... Calaram-se as bocas maléficas... Mas não dê ouvidos a tais comentários... Excelente Blog... Te recomendo aos meus colegas que ainda não passaram do Exame da OAB... Sem mais... Abraço!

Reges 13 de outubro de 2009 14:59  

Olá pessoal!
Minha unica certeza. As duas fases são extremamente difíceis. Mesmo indo muito bem na primeira, poderemos ser surpreendidos na segunda. Tenho uma amiga que passou na primeira com 70 pontos e ficou com 5,0 na segunda.
O melhor a fazer é se preparar e manter a calma na hora da pratica. Não posso deixar de dizer que a angustia é grande, porém a expectativa é maior ainda.
Boa sorte pessoal...

E obrigado Dr Mauricio pelas informações prestadas em seu Blog.

" Ainda bem que existem críticos, eles nos dão mais forças para continuar melhorando"

Elisa,  13 de outubro de 2009 15:07  

Ohh Doutor, foi muito boa a resposta à crítica, mas não esquenta com isso, leva em conta que os bachareis estão muito nervosos, apreensivos e qq frase pode afetá-los drasticamente. Como já havia postado antes esse blog é ótimo, de grande ajuda pra todos nós. É no fundo sabemos que é muiiito dificil, mesmo para aqueles que passaram. Eu infelizmente não passei, estou fazendo até cursinho pra 2ºfase, na esperança que íam cancelar a questão 01, que absurdo o "justo motivo" induziu muiiita gente a erro, tb teve uma questão de trabalho que erraram no texto da lei, e que inclusive já foi anulado em um exame anterior, entre outros. Olha estou aguardando o seu MS, mas ja estou montando o meu.
Obrigada pelas respostas
Elisa

irineurodriguesjr 13 de outubro de 2009 16:10  

Maurício, não sei porque vc perde tempo respondendo esse tipo de gente, vi tal comentário lá no orkut, fazer o que, cada um com sua opinião, mas você sabe o que tem feito de forma VOLUNTÁRIA. Falar a verdade as vezes dói, mas é necessário...
abraços

Anônimo,  13 de outubro de 2009 16:30  

Qt mais acharem q é "terrorismo", melhor para os q seguem bons conselhos. É assim q se sabe quem pode passar e quem só tá lá pq teve sorte. Afinal, alguém tem q sair na 2a fase. E sei q quem estuda não será...

Anônimo,  13 de outubro de 2009 17:06  

Dr. Maurício, gostaria de saber qual a sua aposta para a peça de penal?

Obrigada.

Anônimo,  13 de outubro de 2009 17:13  

QUE NADA..., TUDO É FACIL.

PRIMEIRA FASE NEM PRECISA ESTUDAR.

E A SEGUNDA NÃO LEVE LIVRO NENHUM, É MOLEZA VC FAZ DE CABEÇA.

ERA ISTO QUE VCS QUERIAM OUVIR ?

SAIBAM QUE A PROVA DA OAB É A MAIS FACIL DA VIDA JURIDICA, POR ISTO É BOM ACOSTUMAR COM OS ESTUDOS.

Clê 13 de outubro de 2009 17:17  

Ola Mauricio:
Contra fatos não há argumentos. Quantas questões foram anuladas? DUAS.
Dizer que a segunda fase é mais difícil não é ser "terrorista", mas REALISTA.
E pra passar concordo inteiramente contigo: Tem que estudar muitooooooo!!!
Abraços!
Clê

Anônimo,  13 de outubro de 2009 18:09  

quem disse isso quer passa num passe de mágica, mas não quer estudar o suficiente para ser aprovado.

Anônimo,  13 de outubro de 2009 21:53  

Dr. Maurício

Sou aluno do Professor Morgado, leitor assíduo do seu blog e concordo em gênero, número e grau com o que ele escreveu.
Seu blog é o mais respeitável à nível de exame de ordem, um trabalho de quem realmente quer ajudar aos bacharéis a retirar esta pedra no nosso sapato.
Não ligue para este tipo de comentário.
Seu trabalho é muito importante para nós.
Um Grande Abraço.
Hugo.
RJ.

Anônimo,  13 de outubro de 2009 23:48  

Pessoal, ao fazer uma análise perfunctória, no edital, nas críticas e nos percentuais ora demonstrados. Percebo um tanto de coerência pelo nobre colega do blog. No entanto, deve-se levar em consideração que o número de inscritos foi bem maior do que os exames anterioes, tudo devido a liminar concedendo a inscrição aos acadêmicos do 10 período. Dito isso, nada mais óbvio que um percentual acima do normal. Por fim digo, a primeira fase não foi fácil e sim houveram mais aprovações pelos motivos acima declinados.
Espero uma segunda fase razoável.

Simone 15 de outubro de 2009 11:24  

Gostei muito do "capital psicológico", você fez a escolha de auxiliar os colegas e tenho certeza de que teu sono não fica prejudicado.
Sigamos...
Obrigada!!!

Anônimo,  18 de outubro de 2009 23:18  

Professor Mauricio,

Estou com medo das Ações em fase de Execução, não estou conseguindo identificar....O Senhor arriscaria este palpite para 2 fase. E o Agravo de Instrumento? Enfim, estou ficando neurótica....kkkkk....Obrigada

Aline,  25 de outubro de 2009 21:59  

Caro professor!
É com muita tristeza que eu escrevo neste blog.... esta noite 25.10.09,
Fui brutalmente açoitada no exame, por falta de diliegência de minha parte ou mesmo um deslize do destino.
Minha prova foi ANULADA, pois encontraram um pedaço de papel no interior de um dos livros que estavam em minha posse, eu não sabia oq me acontecia a dor foi brutal naquele momento, não pense o senhor que eu agi de má-fé no feitio da prova, não oq se sucedeu foi um lapso do destino. doi muito como doi!
Mas agora começar tudo denovo... o pior d e tudo é que a prova estava fácil, uma reclamótoria trabalhista, motivo justa causa alícea "i", as questões iden...
queria dividir minha dor com estes que também sabem oq este martírio chamado OAB.
Aline

Anônimo,  26 de outubro de 2009 11:54  

Reclamatória trabalhista? Justa causa? Pelo amor de deus querida Jovem. Ainda bem que encontraram esse papel em seu livro e nao te deixaram fazer a prova, caso contrario iria, de cara, zerar a peça, porque a ação era uma Consignação em pagamento!!! Vc era advogado da empresa! e nao do empregado! Meu deus, Ainda bem que existe esse Exame de Ordem !!!

Att, Fabio Batista.

Alves 26 de outubro de 2009 14:15  

Definitivamente o Exame de Ordem não serve para avaliar o nosso conhecimento. É apenas a forma mais fácil para restringir o mercado (mais fácil do que fiscalizar corretamente os cursos de Direito).

A prova é DESUMANA! É CRUEL! Não por ser difícil, mas pelo modo como é elaborada. Ao lê-la fica evidente a intenção de "ferrar" conosco.

É uma ótima maneira de sermos recepcionados pelo nosso órgão de classe. A prova deixa muito explicíto "não queremos vocês".

Ontem fazendo a prova, mesmo amando o Direito e sabendo que nasci para isso, arrependi-me de tê-lo cursado e ter que passar por isso.

Senti raiva, muita raiva mesmo. Raiva de sermos tratados de uma forma tão desumana.

Queremos apenas exercer a nossa profissão com lisura. É o próprio mercado que se encarrega de separar o joio do trigo, assim como ocorre em todas as profissões.

Obrigar-nos a passar por algo constrangedor (desculpe para quem não concorda, mas detector de metais no banheiro, não poder utilizar lápis, régua etc, é demais) e nos abalar psicologicamente como ocorre, é tratar com total desrespeito os seus futuros profissionais e deixar bem claro que não somos bem-vindos à classe.

Se possuía ainda alguma simpatia pela OAB, ela esvaiu-se ontem, com tão famigerado exame.

Detalhe: conforme os comentários iniciais de professores de cursinhos, eu acertei tudo.

Anônimo,  28 de outubro de 2009 14:06  

Dr. Mauricio

Fiz a prática em processo civil, gostaria que comentasse um pouco sobre a peça e as questão.Se é que o Sr. teve o conhecimento das questões que caíram.

Att.

ERika

Monk 30 de outubro de 2009 18:38  

Interessante. Já dizia o provérbio inglês: "no expectations, no disappointment"

Postar um comentário

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP