Senador critica novamente o Exame da OAB

segunda-feira, 29 de março de 2010

O senador Geovani Borges (PMDB-AP) voltou a criticar nesta segunda-feira (29) o Exame de Ordem, aplicado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O senador disse que a OAB cria, com o exame, "uma cruel reserva de mercado" e não sabe se mede a competência ou capacidade de qualquer bacharel de Direito. Para ele, a obrigatoriedade do exame é inconstitucional e impede o livre exercício da profissão.

- Nós sabemos que a OAB presta relevantes serviços ao Estado, mas não é seu papel ditar normas de comportamento de mercado e tirar autonomia das universidades e do Ministério da Educação - afirmou.

Geovani leu vários e-mails enviados por defensores e opositores ao exame da OAB e disse que está lutando para que as universidades e faculdades exerçam seu papel em toda a plenitude. Ele reafirmou que não é papel da OAB medir capacidade de qualquer pessoa, pois para isso existe o Ministério da Educação.

- O papel da OAB é fiscalizar se as faculdades estão aptas ou não a preparar seus alunos e colocá-los no mercado de trabalho - assinalou.

O senador Papaléo Paes (PSDB-AP) disse, em aparte, que a luta de Geovani Borges é pela melhor qualidade de ensino. Para ele, o exame da OAB não mede a qualificação do advogado e, no Brasil, não é possível acreditar na lisura de qualquer processo seletivo devido ao grande número de fraudes.

- Quantos já não foram aprovados nesses exames através de fraude, de vazamento de prova, de venda de prova? Quantos? - questionou.

Geovani também ressaltou a "explosão" na criação de cursinhos específicos para o Exame de Ordem. Ele lembrou que, antes de 1994, quando o exame não era obrigatório, não existiam esses cursinhos. O senador disse que penalizar o bacharel é fechar os olhos à solução, que seria acabar com o Exame de Ordem.

4 comentários:

FIKS 29 de março de 2010 17:11  

O Exame de Ordem atenta contra a liberdade de acesso à justiça, porque impede que a população tenha liberdade de escolha, pois quanto mais advogados menor é o custo, como em qualquer atividade. Mais uma vez Ordem, ou seus guardiões,impede o acesso à justiça como já o fez impedindo aos alunos do 10º período de prestarem exame, dificultando a prova (sem arredondamento e só com o código na 2ª fase)e impedindo a publicidade dos serviços jurídicos. Isto só serve para que? Manter o status quo dos que passam as bancas de pai para filho e naõ admitem concorrência.

Vivian Christine 30 de março de 2010 12:18  

Bom, não sou contra o exame, mas precisa ter bom senso em relação a equiparação, ou seja, todos os cursos...Porque só o Advogado? E o Médico, o Farmacêutico entre outras mui dignas profissões?
Realmente os cursinhos tem enchido os bolsos de dinheiro além, é claro, do exorbitante valor da inscrição, que aliás, particularmente, acho um abuso.
Sei que esse exame é um funil, que realmente separa joio do trigo, mas muita das vezes os joio entra no meio do trigo e isso para alguns bons alunos, que infelizmente reprovam, fica a indignação.
Eu acredito que esses politicos também não dão "ponto sem nó", se realmente eles conseguirem tal proeza, certamente milhões de bacharéis ficarão agradecidos, o problema são esses cursinhos capitalistas que ficaram muito "emputecidos", além da OAB, que acabará de cobrar eses valores gritantes dos candidatos.
Abraços!

Luiz Carlos 31 de março de 2010 09:51  

Realmente fico indignado com esse assunto que já era para ter sido solucionado, acho que o mercado tem que separar o bons dos ruins, afinal de contas existe muitos advogados que não sabem nem fazer uma inicial e possuem a carteira.

Me respondam o seguinte:

1- Porque só o OAB possue exame para exercer a profissão depois do diploma de bacharel?

2- O que distingue um bom engenheiro de um péssimo engenheiro?

3- Porque existem médicos bons e médicos ruins?

4- Porque você vai no melhor médico?

Enfim prezados senhores, o que quero dizer em resumo é que se todas as profissões quem distingue os bons profissionais dos ruins são os clientes então porque no ramo jurídico não pode ser assim, como as demais profissões?

Se os senhores tem "medo" de perder seus clientes para o novo advogado basta os senhores estudarem, até porque o bacharel esta sempre estudando, porque precisamos passar nessa prova de Ordem e um dia a JUSTIÇA SERÁ FEITA E ESSA PROVA TERÁ UM FIM.

Mais uma vez digo apenas o seguinte: prova que não prova nada.

Blogger D*a ((*Cris*)) 9 de abril de 2010 00:08  

Sou contra o Exame de Ordem pois ele joga no vazio os 5 anos de estudo dos bachareis que estão sendo humilhados usados como meros empregados sem ônus trabalhistas, um verdadeiro atentado a Dignidade da Pessoa Humana, além das fraudes e enriquecimento dos vários setores do ensino, se a OAB quer um bacharel em condições de qualidade, lhe falta esta qualidade para aplicar o exame, que se difere de Estado para Estado, as pessoas que avaliam não prestaram o mesmo,o ideal seria que as Universidades prestassem exame de ORDEM para poder educar o Direito então nada disto estaria acontecendo, O Estadão: Você é a favor do Exame de Ordem? SIM 19% e NÂO 80%, precisa dizer mais? 29/03/2010 Notícia Recente.

Postar um comentário

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP