Presidente da OAB/CE defende anulação do Exame de Ordem

sexta-feira, 5 de março de 2010

OAB-CE defende anulação

A anulação da prova para todos os candidatos que se submeteram, em âmbito nacional, à segunda etapa do exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Essa é a proposta apresentada pelo presidente da OAB Ceará, Valdetário Andrade Monteiro, após a confirmação, na tarde de ontem, pela Polícia Federal, da ocorrência de fraude na prova aplicada em Osasco (SP) no dia 28 do mês passado.

Para o presidente da OAB-CE, a anulação se faz necessária devido ao clima de insegurança que toma conta de todos os candidatos. Para ele, a prova deve ser anulada para todos os bacharéis e não somente para quem fez o exame na área de Direito Penal, que foi alvo da fraude no Interior de São Paulo. (...)

13 comentários:

Rodrigo 5 de março de 2010 08:49  

Data maxima vênia, não posso endossar o entendimento do presidente da OAB/CE, pois a fraude foi constatada de fato somente na prova de direito penal.

Muitos podem argumentar “se aconteceu em penal pode ter acontecido também para outras áreas”, tal argumento não merece prosperar, pois nessa linha de raciocínio, não só o certame atual, como os anteriores devem ser cancelados, afinal o funcionário que ajudou a fraudar este, provavelmente também participou dos exames anteriores , podendo ter ocorrido o mesmo, porém de forma desapercebida.

Também fico imaginando a facilidade de se anular um certame, tendo em vista que a prova é distribuída por todo o Brasil, sendo que inúmeras pessoas tem acesso a elas dias antes do exame, dessa forma, se um deles abrir um envelope e pronto, o Brasil inteiro estará prejudicado.

Acredito que tenha locais no Brasil que a prova chegue de jangada, jumento, ou seja, será que há uma segurança no transporte e armazenamento dessas provas?

Portanto, será uma enorme injustiça estender o cancelamento para todas as outras áreas.

Leonardo 5 de março de 2010 09:31  

Báá........já são três presidentes de seccionais (SP, SC e CE) a favor da anulação de todo o exame.
Eita desespero !!!!!

Como eles podem estender a todos a fraude de um examinando em uma área apenas?? Não podem, eu sou inocente, eu estudei para a prova, se vou passar ou não, tenho direito de saber.

Se é necessário dar um afago à opnião pública, anulem a prova de penal e mais, apenas na cidade de Osasco ou do Estado de São Paulo.
Caso no domingo a OAB anule todo o exame , estará cometendo uma INJUSTIÇA maior do que a própria fraude. Estará vilipendiando o sonho de milhares...

Atribuam proporcionalidade a decisão de domingo, não sejam arbitrários e nem totalitários com os inocentes!!!!!!!!!!!!!!!!!

Digam NÃO À ANULAÇÃO GERAL!!!

Leonardo H. Berkembrock

moreno 5 de março de 2010 09:57  

Tá certo, a incapacidade deste e outros Presidentes de fiscalizar a prova e a própria CESPE tem que refletir em quem apenas cumpriu seu papel, os 17,999 que estudaram muito.

Por que a própria OAB não faz a prova? Pq delega competência SUA para terceiro? Quem devemos responsabilizar???

No mínimo um pedido de desculpa a nós, bando de incompetentes que só ficam fazendo bailes do Rubi e esquecem o por que de terem sido eleitos.

mayra 5 de março de 2010 10:20  

é um absurdo. Todos os presidentes das seccionais defendendo a anulação da prova?Só estão esquecendo que estão prejudicando uma GRANDE MAIORIA que fez suas provas sem uso de qqer COLA.

Olha, cada vez me decepciono mais com esse presidentes. E me digam, se fosse anulada, quando seria realizada a prova novamente? Teria que ser elabora em um tempo record, pois em pouco tempo abrirá a inscrição para a promeira fase da oab 2010.1.

Não consigo me conformar.......isso é uma VERGONHA. Prejudicar milhares de pessoas q estudaram parafazer essa prova e a terão que refazer.....

Donizete 5 de março de 2010 10:25  

Sem dúvida, se a fraude for mesmo confirmada tem que anular toda a segunda fase do exeme e em todas as áreas.

brunoleomedeiros 5 de março de 2010 10:55  

Presidente da OAB/MA é contra a anulação:
Em entrevista ao Jornal "O Estado do Maranhão", o Dr. Mario Macieira, que atualmente preside a OAB/MA, rejeitou a anulação.
Link (pág 5):
http://imirante.globo.com/oestadoma/online/05032010/

Gustavo 5 de março de 2010 11:06  

É piada mesmo.... pimenta no c... dos outros é refresco! Garanto q se esse presidente fizesse uma nova prova hj não passaria! Eu não tenho medo de uma nova prova, farei de novo e passarei. Oq me da nojo é esse modo de pensar... ahh vamos anular e pronto.... para manter o nome íntegro da OAB. Pq requisitaram a PF?? Não era para provar q a prova n tinha espalhado?? Provaram q espalhou?? PROVARAM??? Se não provaram, não venham fazer SUPOSIÇÕES e ACHISMO! Acho q quem deveria estudar um pouco mais de direito são vcs, nobres presidentes de ordem!

Airton 5 de março de 2010 11:45  

é impressionante! achamos oportuno que os Presidentes se manifestem oficialmente a respeito deste lamentável espisódio, porém, nos chama a atenção que este mesmo procedimento não ocorreu no Exame 2009.2, questão peça prática trabalhista. Houve um silêncio total, porque será? Porque a imprensa não deu cobertura? Mas, se realmente a intenção é moralizar o Exame, é oportuno e coerente que iniciem a reunião pondo fim a polêmica anterior, que ainda está pendente. Concordamos anulem ambas. Porque somente agora?

x 5 de março de 2010 11:55  

Eu gostaria de fazer duas perguntas ao senhor Donizete:

1) O Sr. acha que deverá ser anulada somente a segunda fase?

2) Ou o Sr. acha que deverá ser anulada a segunda fase e também a primeira?

Daniel 5 de março de 2010 12:02  

Essa OAB está um caos. Prejudicar quem se sacrificou e estudou muito para o exame por causa de um %#$*&. Ébrincadeira. Que se punam os verdadeiros culpados e fraudadores e não quem fez a prova dentro das conformidades e teve seu Código fiscalizado e constatado estar livre de fraudes.

Rafa 5 de março de 2010 16:52  

Absurdo!! Não estamos falando de um concurso público em que a utilização de cola por um dos candidatos pode alterar a classificação de todos os outros...o exame de Ordem é apenas um teste pra certificação e habilitação profissional...se alguém trapaceou que seja esta pessoa desclassificada e processada nos termos da lei...como anular todo o exame com base em provas tão banais?? Vamos presumir a culpa de todos os outros milhares de candidatos?? E o princípio da presunção de inocência? E o prejuízo moral para todos aqueles que se dedicaram seriamente para realização do exame naquela data e que esperavam agora ansiosamente um momento para descansar, relaxar e poder se dedicar a outras atividades como estudo para concursos, etc?? Mandem o pessoal do CESPE corrigir as provas e se for constatado vazamento que essa instituição seja responsabilizada e banida da organização do EXAME!

Ernani Netto 5 de março de 2010 20:43  

Eles (presidentes das seccionais) estão querendo que a OAB tome processo de todo mundo.

Se vier anulação entro com processo na segunda feira...

Adson Cruz 6 de março de 2010 11:21  

Entende-se perfeitamente a preocupação em garantir a lisura do Exame. No entanto, ao sopesar os valores contrapostos, deve ser levado em consideração que o objetivo crucial é avaliar os candidatos, não havendo concorrência a vagas. Deste modo, a anulação, nesse caso específico, traria maior prejuízo àqueles que procederam de forma legítima e se encontram aptos, do que o benefício pretendido de assegurar a lisura do exame. De outro modo, não há qualquer garantia de que não ocorrerá nova fraude e, desta forma, deveria ser novamente cancelada. Acho que a solução razoável seria a eliminação e punição daqueles COMPROVADAMENTE envolvidos.

Postar um comentário

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP