O que você achou da prova?

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Após 1402 votos, já é possível traçar uma impressão geral sobre o grau de dificuldade da última prova objetiva. Vejamos os dados:

O que você achou da prova?

Fácil 83 votos (5%)

Razoável 436 votos (31%)

Difícil 609 votos (43%)

Muito difícil 274 votos (19%)

62% dos votantes acharam a prova difícil ou muito difícil. Vamos agorar comparar os dados dessa enquete com a enquete realizada no último exame (1.2009), que teve 2.037 participantes:

Fácil (2%)

Mediana (12%)

Difícil (34%)

Muito difícil (49%)

83% dos participantes acharam a prova difícil ou muito difícil naquela ocasião.

É interessante ver tal contraste, pois aparentemente o grau de dificuldade entre as duas provas foi o mesmo; talvez com uma pequena diferença em favor da última. De certa forma, essa percepção resulta do momento, do espírito geral dos candidatos após a prova.

Mas, respeitando o escrutínio, vamos assumir que a prova de domingo foi mais fácil que a prova objetiva do exame 1.2009.

Vocês concordam com isso?

19 comentários:

cris,  15 de setembro de 2009 12:26  

Sem dúvidas!!! Não desmerecendo o esforço e os estudos dos colegas que agora dão um grande passo para alcançar o tão almejado título de Advogado.

Anônimo,  15 de setembro de 2009 12:48  

Bom, não sei se foi mais facil ou mais dificil que os anteriores, mas sei que este exame não serve para avaliar conhecimentos mínimos de um bacharel em direito, haja vista estarmos diante de gabaritos fornecidos por professores muitas vezes ja com seu doutorado e divergindo entre eles próprios. Ou seja, como podemos dizer que tal exame testa conhecimentos mínimos de um bacharel se nem os Doutores conseguem responder as questões deste exame?!?!
PALHAÇADA

Anônimo,  15 de setembro de 2009 12:54  

Respeitando o resultado, na minha opinião, não concordo, que esta foi mais fácil do que áquela, concordo com o moderador ao postar, que o exame vai se apertando cada vez mais. A proposito a OAB, está usando o tripe de igualdade: magistrado, ministério público e advogado.
J.Carlos

Alexis,  15 de setembro de 2009 13:03  

A prova 2009.1 resolvi em 2:30, resultando 67 acertos. A prova 2009.2, resolvi em 3:15 e, segundo a média entre os gabaritos, resultou em 65 acertos. No geral, o grau de dificuldade está bem semelhante.

De fato, na segunda (2009.2), um fator concorreu para um raciocínio constante, qual seja, a exigência de assertivas corretas. Do contrário, erros podem incidir por descuido.

Anônimo,  15 de setembro de 2009 13:11  

Eu concordo!!!

Anônimo,  15 de setembro de 2009 13:20  

Se a prova tivesse as questões para marcar como as incorretas e as exceções, acho que não passaria ninguém!

Café,  15 de setembro de 2009 13:22  

Ao meu ver, a prova foi mais justa, isso não quer dizer que foi mais fácil, é que não tinham questões referindo-se às incorretas ou do tipo quantidades de erros ou acertos, desta forma penso que foi mais justa, sem pegadinhas que o CESP gosta de fazer.
Boa sorte a todos nós e um grande abraço Prof. Maurício

Tatiane victor 15 de setembro de 2009 13:33  

concordo plenamente, que essa prova foi mais tranquila que a 2009.1!!!

Anônimo,  15 de setembro de 2009 14:16  

Prova moleza que nem esta talvez seja a última. Aproveitem, porque bem provavelmente no prósximo ano o bicho pegue de verade. A prova foi prova para aluno do terceito ano de direito passar.

Demétrio 15 de setembro de 2009 14:20  

bom,essa é a primeira vez que eu faço o exame e, na hora da prova, achei muito difícil devido a estresse emocional que tive na hora da prova.

depois, analisando a prova com mais tranquilidade, realmente essa prova não foi tão difícil quanto as demais.

Lucas S.,  15 de setembro de 2009 14:29  

Fiz apenas a prova 2009.2, mas tenho tenho a impressão que ela foi mais fácil ( ou menos difícil) do que a 2009.1. Não me baseio no conteúdo da prova, mas na forma como foram elaboradas as questões. A primeira prova de 2009 possuía 8 questões para marcar a alternativa errada, mais 5 questões para julgar as assertivas e 2 para dizer quantas assertivas estavam corretas. Na segunda prova, apenas 1 questão pedia a incorreta. O tipo de prova direta, como foi esta última, facilitou imensamente os examinandos. Isso será comprovado pela média de acertos e o número de aprovados.

Anônimo,  15 de setembro de 2009 14:37  

Pelos comentátios e enquetes tenho certeza que o indice de aprovação será superior a 40%.

Lari,  15 de setembro de 2009 16:07  

Olha...estudei muito pra 2000.1 e fiquei com 49 pts. Poderia ter passado, se não tivesse vacilado feio (desde quando cheque sem fundo é crime, meu deus??). Daí desanimei total, chutei o balde pensando "que se dane, se passar blza, se não nem vou me estressar"
e não estudei nada!! só dei uma estudadinha quando descobri que ano que vem vai mudar tudo!
O psicologico estava mais tranquilo, mas não mais com o mesmo pensando, afinar, ano que vem será bem pior, e ainda tinha o agravante que eu não tinha estudado nada mesmo, só no início do ano. Por todos os gabaritos fiquei acima de 60 (menos do Ideia)
e realmente, a prova estava mais fácil. Não tinha nenhuma para marcar a incorreta e nenhuma daquele tipo somente I e II corretas. Se eu tivesse estudado, teria acertado muuuitoooo mais!
Olha, só to com medo da segunda fase, porque a CESPE nunca alivia assim. Torcendo muito por todos!!

Anônimo,  15 de setembro de 2009 17:23  

Engraçado ver gente (14:16) comentando sobre a prova ter sido "baba" (que termo horroroso!).

Provas fáceis, caro apoucador, foram aquelas primeiras a serem aplicadas. Talvez você desconheça o conteúdo.

Se o aluno de terceiro período passa em exame de ordem é porque já tem conhecimento para isso. O Direito não é ciência, sequer depende de faculdade para aprendê-lo.

Meu pai, engenheiro civil, nunca fez menos de 50%, só para você ter uma idéia, da infantilidade de um descaso.

Mas dá para entender o seu sentimento, principalmente se a sua aprovação foi lastreada pela sorte.

Anônimo,  15 de setembro de 2009 18:01  

Discordo da nobre colega acima... direito é sim uma ciência... Hans Klesen, jurista austríaco, teorizou o direito em uma ciência... logo, não faça comentários desvalorizando um curso tão grandiozo como o direito... nada pessoal...

Anônimo,  16 de setembro de 2009 10:38  

18:01, respeito sua opinião. Mas, Direito jamais foi nem será ciência. Está fadado à eternidade da conveniência.

17:23

Adriana,  16 de setembro de 2009 10:52  

Quanto ao Direito ser ou não ser uma ciência, sabemos que é uma questão controvertida. Não se pode ter um conceito hermético. A propósito, este foi o tema das edições recentes da revista Consulex,(Direito: uma ciência ou uma arte?), justamente pelo imbróglio so assunto. Eu creio que seja uma arte. Sabemos que num passado não tão distante existia alguns rábulas que atingiam grande notoriedade, melhor do que muitos diplomados...
Quanto à prova, esta foi menos complicada do que a anterior, mas o nível de dificuldade se manteve. O exame não mede a capacidade de conhecimento. Além de ter sorte de cair exatamente o que se estudou, o examinando tem que manter a tranquilidade. O que quase nunca se tem, dado ao massacre psicológico fomentado pelas características da prova do CESPE.

Anônimo,  23 de setembro de 2009 20:36  

Fui aprovado na 2009.1 e analisando essa última, sinceramente achei essa mais fácil. Aliás, cá entre nós, sem querer tirar o mérito de quem realmente estudou, vi tanta gente descomprometida com os estudos passar nesse último exame (39) que não dá nem pra acreditar!!!
Abraço à todos.

Postar um comentário

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP