Verdun

terça-feira, 4 de agosto de 2009

No último sábado eu publiquei aqui no Blog uma entrevista concedida pelo Dr. Cezar Brito ao jornalista Marcone Formiga, e classifiquei-a de "desembarque da OAB na Normandia".

Disse também que essa entrevista despertaria a fúria de muitos, e que, da Normandia, essa questão marcharia para Verdun, em uma alusão ao palco da mais violenta e trágica batalha travada na 1ª guerra mundial.

Pois bem, eis que se fez Verdun.

O MNDB-Brasil reagiu a essa entrevista e está planejando uma passeata contrária ao exame de ordem, em Brasília, no dia 25 de agosto deste ano. Naturalmente que além de gritar contra o exame da OAB, o Dr. Cezar Brito receberá alguma atenção desse movimento, em função de suas palavras.

Se a manifestação efetivamente ocorrer, e, se ela conseguir reunir um grande número de manifestantes, certamente a questão do exame de ordem ganhará uma nova dimensão, e o tema repercutirá na mídia e nos círculos políticos e jurídicos com mais intensidade.

Sempre achei que o MNBD nunca teria qualquer chance de vencer esse embate, mas, com uma grande mobilização, talvez minha impressão se revele equivocada.

Se os dados da OAB forem corretos, existem hoje aproximadamente 4 milhões de bacharéis de direito que não conseguiram passar no exame. Em termos políticos, é um eleitorado grande o bastante para sensibilizar o "coração" de qualquer parlamentar, relevante o suficiente para produzir uma passeata capaz de atrair a atenção da mídia, fora dos circuitos do Judiciário.

Naturalmente que isso tudo depende da capacidade de articulação desse grupo de interesse. Até agora não vi nada que evidenciasse um poder de mobilização que pudesse ser considerado relevante. A passeata pode mudar tudo de figura e dar contornos mais imponentes a esse movimento. Mas também pode sepultá-lo, caso a mobilização não seja forte o suficiente para impressionar por seus números.

De todas as formas, alea jacta est.

Quem quiser ler sobre a repulsa do MNBD, clique AQUI.

33 comentários:

Anônimo,  4 de agosto de 2009 18:23  

Só pela ortografia do texto da MNBD já se pode imaginar o tipo de advogado que vai sair dali.
Nunca serão!!!

Márcio.

Anônimo,  4 de agosto de 2009 18:42  

Concordo com vc!!!!! entrei no site deste MNBD e não acreditei no que li(CONTROL C, CONTROL V) INDIGUINAÇÃO-DIGUINIDADE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!1-JUROS QUE É COBRADO? Com todos respeito à todos, mas quem escreve umas coisas dessas não merece passar no Exame de Ordem.

Anônimo,  4 de agosto de 2009 19:44  

Só se os parlamentares forem insanos para sucumbirem a qualque tipo de manifestação que vise a extinção do exame de ordem. Tem um detalhe importantíssimo que o MNDB deve avaliar e avaliar muito, muito e muito: o tiro pode sair pela culatra, ou seja, ao invés de despertar interesse dos parlamentares pela extinção do exame, pode fazer com que aqueles parlamentares que eram contra o exame de ordem enxerguem que 4.000.000 de bachareis analfabetos advogando é um risto gigantesco para a sociedade e que o exame precisa dificultar ainda mais a aprovação, a fim de garantir que esses mundarel de analfabetos fiquem longe, mas bem longe da advocacia. Gente, aqui para nós, o exame de ordem é fácil demais e, por analogia, se fosse para acabar com o exame teriam que acabar também, com os vestibulares, liberar geral.

Anônimo,  4 de agosto de 2009 20:51  

Pessoal, ficar falando mau da MNBD, do Presidente da OAB e afins, não adianta nada!

O negócio é ter foco.
Estudar, estudar e estudar!!!
Lograr êxito nessa maldita prova e mandar o Ticio para a casa do "carpaccio"....(risos)

Não fiquem perdendo seu tempo maltratando as pessoas, rezem por elas...É o melhor a fazer.

Anônimo,  4 de agosto de 2009 21:32  

O Dr. Cezar Brito tem toda razão, eu como advogado assino em baixo.

Anônimo,  4 de agosto de 2009 21:46  

Aqueles que intitulam críticos do MNBD, negativo, devem ser os filhos de papaizinhos, que receberam as suas ferrari (não disse marcas de carro do país, porque não sou garoto propaganda) e mesada todo mês em suas contas bancarias, tenho certeza, que devem ser estes que frequentam Brasilia. Portanto, pergunto a eles se eles devem ao FIES, mas de certo modo, concordo em parte pela lembrança da formatação do saite ou blogger do Movimento, isto deve a falta de dinheiro em manter ou contratar profissional de TI, para elaborar um que satisfaça tambem os desejos dos bel e do Movimento.
Devo lembra-los, que não sou filiado a movimento nenhum, semplismente, quanto a critica é pejorativa, não deixaria de manifestar.

Carlos Antônio 5 de agosto de 2009 00:02  

O cara, vai reclamar do que foi dito pelo Presidente da OAB e escreve com erros gramaticais absurdos!! Ficou tão preocupado de ser chamado de criminoso que nem observou que foi chamado de analfabeto (e pelo visto com toda a razão) e que ainda deu força para essa alegação do Cezar Brito. Absurdo total, se o exame da ordem realmente cair, será um Deus nos acuda! A OAB não pode permitir esse absurdo!!

Anônimo,  5 de agosto de 2009 00:10  

É isto mesmo temos que manter a reserva de mercado, senão não teremos dinheiro nem para o onibus!

Anônimo,  5 de agosto de 2009 00:16  

Prezados colegas! Devemos REFLETIR - em que pesse as considerações de ambas as partes quanto ao exame, o fato as exigências feitas nos Editais estão estrapolando um dos principios basicos que defendemos - o principio da dignidade da pessoa humana! Isto é muito grave....

Anônimo,  5 de agosto de 2009 00:22  

Meus amigos, os bachareis não são nossos inimigos, mas futuros colegas e, assim, devem ser tratados, com todo nosso respeito. Esta radicalização só nos leva a um conflito que não pdemos vencer, simplesmente, porque são masi de 4 milhões de eleitores. Assim, tenha passeata ou não o fato é que os palarmentares irão buscar estes votos!!!!!

lulavasco 5 de agosto de 2009 02:58  

Sejam sensatos, respeitem a democracia. Todos nós, seres humanos temos momentos inequívocos... Dr. Maurício estive contigo no dia da audiência pública. E com todo respeito, menosprezar a indignação dos que pretendem serem seus pares, não deve ser motivo de chacota.

Anônimo,  5 de agosto de 2009 09:16  

Com relação à página do Movimento.... não será um profissional de TI, ou mais recursos para tal empreendimento, que ensinará o cidadão que colocou a nota no "ar" a escrever.
Por favor! Pelo bem do Movimento corrijam esse manifesto, os erros são absurdos e darão apenas munição àqueles que os chamam de "analfabetos".

Anônimo,  5 de agosto de 2009 10:45  

Uma coisa é certa, o movimento está incomodando...ou não teríamos uma entrevista tão extensa e com respostas tão atropeladas.
Comparar os bacharéis com marginais é ato de desespero por aqueles que estão prestes a perder sua principal fonte de arrecadação.

Anônimo,  5 de agosto de 2009 11:22  

O Exame da Ordem Não pode continuar data forma! É utilizado como uma Ferramenta de Exclusão! São falsas as afirmações de que o alto nível de reprovação é causado só pela baixa qualidade do ensino, estão distorcendo o exame e criando um ônus Excessivo aos Bacharéis de Direito, impedindo o acesso à Advocacia.
Como operadores do direito não podemos aceitar todas as imposições feitas pela OAB; Esta muito claro que o exame tem que mudar, toda essa discussão na mídia e proposta no congresso, não surgiu à toa, alguma coisa esta errada, e é o rigor excessivo, pois hoje querem chegar o mesmo rigor para atuar na Advocacia como quem faz um concurso pra Juiz ou Procurador!
Nem todos os bacharéis de direito pretendem atuar como advogados e pagar a anuidade da OAB, e causam um "pânico" aos atuais e futuros advogados dizendo que via inundar com milhares de despreparados. Mentira! Como qualquer atividade o próprio mercado se organiza! Os melhores preparado e quem tem vocação sempre vão sobressair, outros vão naturalmente para outras atividades!
Parabéns ao MNBD! Se tiver oportunidade também estarei no movimento em 25 de Agosto em Brasília!

DTibes

Anônimo,  5 de agosto de 2009 11:55  

Tá muito estranho. O site foi invadido por hackers,não tem outra explicação. Aconteceu a mesma coisa com o site do Rio.

Anônimo,  5 de agosto de 2009 12:09  

É muito difícil apoiar um movimento que não consegue se expressar, que não consegue nem defender suas ideias. O texto é absurdo e dá a sensação de rebeldes sem causa.
Sinceramente, mesmo que fosse a favor da EXTINÇÃO do exame de ordem me recusaria a participar de uma manifestação dessa forma organizada.

Anônimo,  5 de agosto de 2009 12:21  

Se aquele texto não for corrigido vai servir somente de chacota. Vai também chamar a atenção apenas dos jornalista sem diplomas que o STF "legalizou".
Já imaginou os bachareis direito acompanhando uma manifestação dessa? O povo vai condenar.

Anônimo,  5 de agosto de 2009 12:38  

Acho que a OAB poderia acabar definitivamente com essa pendenga de exame. Passar ela própria, ao invés de realizar o exame, realizar o vestibular para acesso dos estudantes à faculdade de direito e avalias as FACULDADES (pelo menos de 5 em 5 anos) e fechando as "reprovadas" ou impondo condições para o funcionamento. Claro, o problema começa na "base", ou seja, qualquer um,até os analfabetos funcionais (que é a maioria dos bacharéis) ingressa no curso de direito e depois, quando não conseguem aprovação no exame, ficam reclamando que ele tem que acabar, que o exame é injusto, que o exame é errado, etc., etc e tal.A OAB fazendo isso garanto quem num prazo máximo de 5 anos estaria tudo. A OAB poderia manter o exame só para quem já concluiu a faculdade (senão seria advogado em cada esquina) e de agora em diante fazer o que sugeri.

Anônimo,  5 de agosto de 2009 12:50  

Bacharéis que defendem a extinção do exame, pensem bem: se o exame acabar vocês irão se realizar profissionalmente? Não vão mesmo, vão ser eternos frustrados e arrependidos (vão dizer que ingressaram na profissão errada). Pensem bem, se todos os bacharéis hoje existentes passassem a advogar ninguém iria ganhar nada e advogado vive dos honorários. Ou vocês pretendem ser advogados para fazer caridade, advogar de graça? Vocês estão sendo pouco inteligentes,esta é a verdade.Eu sei que o exame tem mesmo certas injustiças, o exame é muitas vezes dificil, o exame quase nunca é capaz de medir a qualificação do bacharel, nem todos que passam são os melhores, etc., mas reflitam bem se a melhor solução, até mesmo para vocês quando forem aprovados, é a melhor solução, pensem bem.Pensem bem, porque de repente é mil vezes melhor se fazer o exame 5, 6, 7, 8...vezes do que acabar com ele e todos passarem a advogar. Eu sei que muitos vão dizer: "é, ele diz isso porque já passou". Para quem pensou assim quero dizer que já fiz o exame 2009.1 é o segundo que fiz e estou aguardando o resultado do recursos, ou seja, não fui aprovado e não sei se serei (não tenho esperança).

Anônimo,  5 de agosto de 2009 14:14  

Bacharéis que defendem a extinção do exame, pensem bem: se o exame acabar vocês irão se realizar profissionalmente? Não vão mesmo, vão ser eternos frustrados e arrependidos (vão dizer que ingressaram na profissão errada). Pensem bem, se todos os bacharéis hoje existentes passassem a advogar ninguém iria ganhar nada e advogado vive dos honorários. Ou vocês pretendem ser advogados para fazer caridade, advogar de graça? Vocês estão sendo pouco inteligentes,esta é a verdade.Eu sei que o exame tem mesmo certas injustiças, o exame é muitas vezes dificil, o exame quase nunca é capaz de medir a qualificação do bacharel, nem todos que passam são os melhores, etc., mas reflitam bem se a melhor solução é acabar com o exame; até mesmo para vocês quando forem aprovados, é a melhor solução? Pensem bem.Pensem bem, porque de repente é mil vezes melhor se fazer o exame 5, 6, 7, 8...vezes do que acabar com ele e todos passarem a advogar. Eu sei que muitos vão dizer: "é, ele diz isso porque já passou". Para quem pensou assim quero dizer que já fiz o exame duas vezes, o 2009.1 é o segundo que fiz e estou aguardando o resultado do recursos, ou seja, não fui aprovado e não sei se serei (não tenho esperança).

Anônimo,  5 de agosto de 2009 15:00  

CONCORDO COM O ANÔNIMO DAS 14:14.DO QUE ADIANTA A ORDEM ABRIR A PORTEIRA E FICAREM TODOS QUE NEM CAMELÔS NA 25 DE MARÇO (EM SÃO PAULO), UM ATROPELANDO O OUTRO E NINGUÉM GANAHANDO NADA? QUE A ORDEM REALIZA UMA ESPÉCIE DE RESERVA DE MERCADO EU NÃO TENHO QUALQUER DÚVIDA, SÓ QUE É PRECISO, PARA O BEM DA PROFISSÃO E DA CATEGORIA É MUITO BOM QUE A ORDEM TOME TAL PROVIÊNCIA E NÃO ESCANCARE MESMO PARA TODOS. SE BEM QUE A RIGOR NÃO SE TRATA DE RESERVA DE MERCADO, UMA VEZ QUE BASTA O BACHAREL SER APROVADO QUE ELE EXEERCERÁ A PROFISSÃO SEM QUALQUER TIPO DE PROIBIÇÃO PELA ORDEM OU QUER QUER QUE SEJA. ORA, ORA, SE BASTA SER APROVADO QUE RESERVADO DE MERCADO EXISTE? NÃO EXISTE.SERIA RESERVA DE MERCADO SE A ORDEM FIXASSE UM PERCUAL DETERMINAOD DE APROVAÇÃO OU DE REPROVAÇÃO.

Anônimo,  5 de agosto de 2009 18:15  

Esforçai-vos por entrar pela porta estreita...já disse JC.

Cuidado com as facilidades. Temos que ser examinados diariamente. Quem quer facilidades que procure outro ramo. O Direito não admite e não deve pactuar com quem não estuda e não quer mais estudar e sim posar com a vermelhinha e os símbolos da OAB na lapela.

Esse tempo não lhe pertence mais.

São novos tempos que valorizam o "novo" advogado, que valorizam o número de inscrição mais alto na Ordem.

Anônimo,  5 de agosto de 2009 18:54  

RESPOSTA ao anônimo(12:50):concordo com vc que realmente não deveria ser extinguido o exame, mas descordo de vc quando diz que quem é a favor da extinção do exame é "pouco intêligênte". VC deveria respeitar as opiniões e sugerir soluções para que o exame da ordem possa propiciar aos bachareis não um problema, mas sim uma preparação para a vida inteira. OU VC ACHA QUE ESSE ATUAL EXAME DA ORDEM PREPARA ALGUÉM PARA A ADVOCACIA?

Anônimo,  5 de agosto de 2009 20:58  

Doutor Maurício,

Com certeza a comparação/metáfora com a batalha de Verdun é cabível.
Contudo, esta manifestação em desfavor ao Exame de Ordem, mais parece uma tentativa desesperada que se revelará muito mais violenta (do ponto de vista dos debates que gerará) que a Batalha do Rio Somme, Que a princípio foi a manobra anglo-franca realizada para desviar a atenção de Verdun e acabou se revelando uma das mais sangrentas da WW1. Vamos aguardar as estatísticas das "baixas".

Itiberê Cornelius Ewerling,

Maurício Gieseler de Assis. 5 de agosto de 2009 21:14  

A batalha do Rio Somme também foi outra tragédia, tão sem sentido quanto Verdum.

De toda forma, o número de vítimas já era elevado antes mesmo que alguém levantar a voz contra o exame, e a tendência é aumnetar ainda mai, independente do resultado.

Para mim, a questão do exame levará vários anos para ser resolvida...

Anônimo,  6 de agosto de 2009 00:22  

Anônimo 18:54, não sei qual a razão da sua "fúria". Se você tivesse lido direitinho meu texto, prferencialmente fazendo uso de um dicionário, perceberia que não desrespeitei a opiniuão de ninguém. Pegue um dicionário e veja a acepção exata do termo "inteligência". Ademais, em momento algum eu escrevi que o exame prepara, pelo contrário, eu escrevi que o exame quase nunca é capaz de medir qualificação. Mas já que você parece que não lei direito ou não sabe interpretar o que se escreve, vou aprovbeiotar a oportunidade para dizer que você está confundindo tudo, até porque o exame não se presta mesmo a preparar o bacharel para o exercício da advocacia, ele serve sim, pelo menos em tese, para medir o grau de qualificação do bacharel. Por fim, reprito o que eu escrvi na primeira mensagem: os bacharéis, ao desejarem o fim do exame, estão sendo pouco inteligentes, salvo alguma hipótese de quem quer praticar a advocacia como meio de fazer caridade que, convenhamos, não creio que exista ninguém com tal interesse.

Anônimo,  6 de agosto de 2009 08:53  

Gostaria de saber o seguinte: o exame começou a ser "imposto" aos bacharéis, de 1995 para cá, não é isso? foi um conluio de FHC com a OAB, na intenção de evitar que criminosos( traficantes) financiassem estudos de moradores das favelas, e com isso se tornassem advogados.Mas, o que não entendo é essa lenga-lenga de dizer que se o sujeito não fizer o exame e não for aprovado no mesmo, será um péssimo advogado. pergunto: e antes de 1994? quando não tinha o exame, como era? Infelizmente, tenho que concordar com a comparação entre o fim do exame e as batalhas da guerra de 14, simplesmente não acontecerá, pois bacharéis não invadirão Brasília,e nem sabem construir tanques e aviões.

Anônimo,  6 de agosto de 2009 10:18  

Olá, eu sou bacharel em direito e fiz duas vezes o exame de ordem, é claro que fiquei muito chateada ao nao passado, mas atribuo esta derrota a mim mesmo..eu sei que tenho que melhorar.esses bachareis que ficam só falando em extinçao do exame de ordem é porque nao gostam de estudar..querem coisa fácil. temos que valorizar nossa profissao!

Anônimo,  6 de agosto de 2009 15:51  

O cara que escreveu "inteligênte" vai continuar reprovando, ao menos que estude acentuação gráfica. É elementar para um defensor da justiça, não acham? Sem falar da interpretação, ele não conseguiu ver que o outro estava fazendo chacota da sua escrita.

Mas eu sou contra, não importa que analfabetos advoguem, o importante é a CF, essa sim deve ser respeitada. E a isonomia é cláusula pétrea, sabem o que é isso?Acho que sim, portanto, o exame não avalia, e ainda sim é inconstitucional. Porém no Brasil o Direito só é para ricos, provavelmente ele continuará para manter os cursinhos e editoras faturando milhões com a indústria que cerca esse Exame incostitucional.

Desculpe a digressão, mas o Brasil só 11% da população tem acesso ao ensino superior, não acham pouco? E a desculpa que há muitos bacharéis deve ser revista pelos defensores. Os muitos que optaram pelo direito, na sua grande maioria não pretende advogar, até porque advogar é um saco, e nem todo mundo tem um grande.

Assim eu acho descabido o medo dos advogados, vamos liberar essa p... e exigir do governo ensino de qualidade. Mas só exigir do governo não é suficiente, os estudantes querem esse ensino de qualidade? Quantos se debruçam sobre os livros para aprender gramática, interpretação? Poucos, e esses poucos sempre serão os vencedores. Os outros ficarão como DOM QUIXOTE, imaginando que são algo que não são.

Anônimo,  6 de agosto de 2009 17:21  

Advogar ou seja lá qual for a profissão não é pra rico é pra quem rala, estuda, se esforça.
Vamos parar com essa frescura. Eu nunca fui rico e mesmo assim terminei em faculdade particular, pegando ônibus e pagando com o meu próprio trabalho.Nunca tive pai rico pra me dar nada.
E igual a mim muitos outros também conseguiram.
Parem de fazer tipinho de rebelde, filiado a movimento de não sei lá o quê e vão estudar.
Vocês envergonham a classe estudantil.
Não se trata de nenhuma crítica pejorativa como foi dito acima. Trata-se de uma simples constatação, quem não sabe nem escrever não deveria nem sair do ensino básico.

Márcio.

Anônimo,  6 de agosto de 2009 17:41  

Pois é, anônimo 15:51, vamos liberar geral e exigir ensino de qualidade. Maas eu só queiria entender o seguinte: tá certo, vamos liberar geral; mas você, que não fez uma boa faculdade, vai fazer novamente o curso de direito se for libverado geral e exigido ensino de aqualidade? Presumo que sim, não é mesmo? Se você exige ensino de qualidade pressupõe-se que vai querer repetir o curso "caganeira" que você fez.

Anônimo,  6 de agosto de 2009 21:27  

É isso mesmo anônimo (17:41). Essa gente teve tudo bancado pelos pais e agora ficam jogando a culpa pelo fracasso no exame. Meus pais também sempre foram e são pobres que até fome nós passamos e mesmo assim eu ralei pra caramba, mesmo depois dos 40 anos de idade (foi quando pude pagar uma faculdade e hoje estou com 49 anos), e passei no primeiro exame que fiz. Eu praticamente vivia na biblioteca da faculdade, quando me sobrava tempo, pois eu tinha que trabalhar, porque não podia comprar livros e para fazer a prova da segunda fase levei os livros emprestados por um professor meu. Já advogo há mais de 1 ano e agora os frutos do meu esforço estão começando a aparecer. Já não passamos, nem eu nem meus pais, necessidades. Não temos tudo o que desejamos, mas necessidades felizmente não mais passamos e com fé em Deus nunca mais passaremos.Um detalhe: durante todo o curso de direito e as provas do exame de ordem, em nenhum momento eu reclamei, em nenhum momento eu fui contra o exame, pois eu sabia exatamente o que eu queria. Eu queria ser advogado e sou com orgulho imenso, principalemnte por ter vencido duas gigantescas barreiras. A primeira que era a mensalidade do curso caro que eu tinha que pagar todos os meses e só Deus sabe como consegui (e honestamente, diga-se de passagem); e depois, a bareira barreira que poucos ultrapassam que é a do exame de orem. Deus do céu, isso me dá orgulho demais e o orgulho é infinitamente maior por ter tido o exame um dia à minha frente. Em suma: essa gente reclama de "barriga cheia", nunca se esforçaram, nunca deram (a maioria) valor para o esforço que seus pais faziam pagar pagar a faculdade e agora ficam reclamando.

Anônimo,  7 de agosto de 2009 11:51  

Quando disse que a justiça só é para ricos, não quis dizer que só ricos advogam, mas sim os que têm acesso. Quem pode contratar um bom advogado? Só os ricos, por isso esses se beneficiam das benesses da justiça. Mais uma vez vejo que o exame na aprova os melhores. Apesar de ter passado, continuo achando um exame ridículo e feito para manter privilégios. ISONOMIA SABEM O QUE É ISSO? É DIFERENTE DE IGUALDADE.

Postar um comentário

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP