Em busca do direito de advogar aos 80 anos

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Se você pensa que é tarde demais para recomeçar, precisa conhecer Adelino da Silveira Corrêa, 80 anos. Em vez de passar o domingo descansando no sofá, permaneceu cinco horas sentado em uma cadeira da Pontifícia Universidade Católica (PUC), em Porto Alegre, para resolver a cem questões da prova da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), junto a outros 3.775 inscritos em todo o Estado, ontem.

Militar reformado do Exército, ex-professor de matemática, ex-candidato a vereador, não se cansa de planejar o futuro e corre atrás para realizá-lo. E engana-se quem acha que seu interesse em Direito é apenas teórico. Atuando como estagiário de um escritório de advocacia de um amigo desde que se formou na Unisinos, há quatro anos, sonha agora em abrir seu próprio escritório.

"A gente não pode parar. Não devemos ficar no particípio passado. Prefiro ficar no gerúndio: estudando, trabalhando, fazendo", resume ele, que reside no bairro Santana, na Capital, e já atende 60 clientes, em causas cíveis, tributárias e de família.

O sonho de conquistar um diploma era antigo, mas acabava adiado em nome de outros projetos. Natural de Itaqui, morou em diferentes cidades durante a carreira militar, e em nome dela precisou interromper o curso de Pedagogia, em Uruguaiana. Quando se reformou como sargento do Exército, depois de 30 anos de serviço, era hora de investir na faculdade dos três filhos. Mesmo assim, não parou. Com estudos em matemática, continuou trabalhando no departamento financeiro do Grêmio Beneficente de Oficiais do Exército (GBOEX). Aos 69 anos, com os filhos criados, resolveu ingressar no curso de Direito.

"Todos os dias eu estudo alguma coisa, aí exercito a memória e o ego", ensina ele, que faz questão de acompanhar seus processos pela internet. Obstinado, não se rende às limitações do corpo. Cuida da saúde com uma disciplina militar. Caminha no parque, não deixa faltar feijão no prato, adora tocar violão e dançar em bailes com a mulher, Carmem, 65 anos. Apesar de ter a audição diminuída, resiste a usar um aparelho auditivo. E faz planos para os próximos 120 anos.

"Velho não existe, o idoso sempre pode produzir e ser útil. Quem sabe chego aos 200 anos, né?", diz. "Só vai ter de arranjar outra esposa, porque não chego até lá", brinca a mulher, Carmem, 65 anos. (A matéria foi publicada no jornal Zero Hora)


Que beleza de lição de vida! Parabéns!

3 comentários:

Anônimo,  18 de maio de 2009 16:43  

Gente, agora eu pergunto: tem necessidade de uma pessoa como o Sr.Adelino ser submetido a um exame? penso eu que a própria idade dele já demonstra que ele tem "bagagem" suficiente para advogar (pode até não ser o melhor dos advogados, mas tem, sim qualificação mínima, pois a vida lhe deu tal condição). Certamente ele não fez uma faculdade de direito, por pior que seja ela (não sei o nível da instituição que ele fez, não estou dizendo que a faculdade que ele cursou é boa ou ruim), por imposição de minguém e nem por ilusão, fez porque quis fazer e porque quer ser advogado. Portanto, nesses casos excepcionais como o do Sr. Adelino poderia muito bem a OAB dispensar o exame, exigindo requisitos outros, como, por exemplo, as notas durante o curso, a freqûência, ou exigir somente a aprovação na primeira fase (ou só na segunda), etc. Ora, a OAB não dispensou os advogados registrados na Ordem dos Advogados de Portugual do exame aqui? Seria a mesma coisa.

Anônimo,  18 de maio de 2009 19:37  

Brilhante, mas deve ter algo errado nas idades. 11 anos na universidade?
OAB para jornalismo?

Clê 18 de maio de 2009 20:02  

Que exemplo do Sr. Adelino de que os sonhos não morrem jamais!Quiça tivéssemos mais pessoas com esse sonho, com essa vontade de revolucionar pelo conhecimento.
Parabéns pela garra e pela força!

Postar um comentário

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP