Bacharéis pedem apoio da OAB/MT

terça-feira, 17 de novembro de 2009

CARLOS MARTINS

DA REDAÇÃO

Um grupo de 10 bacharéis em Direito pediu ontem em Cuiabá o apoio do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional Mato Grosso, Francisco Faiad, para que a instituição peça a anulação da peça prática trabalhista (dissertativa) que valia 5 pontos na prova da 2ª fase do exame nacional da Ordem, realizado no dia 25 de outubro.

O resultado do gabarito saiu ontem e confirmou o que os futuros advogados temiam: a questão foi mal formulada, permitindo tripla interpretação, e, pelas manifestações via internet, deve ter reprovado pelo menos 90% dos 8 mil inscritos em todo país na prova da área Trabalhista. Manifesto com 2,5 mil assinaturas, pedindo a anulação, já chegaram às OABs.

A prova, feita pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cesp), órgão que integra a Fundação Universidade de Brasília, teve também outras 5 questões objetivas valendo 1 ponto cada (para passar tem que tirar 6). “A prova é cheia de vícios. Professores do centro do país afirmaram que pelo menos 3 das 5 questões objetivas também deveriam ser anuladas por serem dúbias”, afirmou Breno Taques.

Os presidentes das OABs de Mato Grosso do Sul, Alagoas, Maranhão, Pernambuco e Paraíba já enviaram ofícios à Cesp pedindo a anulação da peça. Em MT, cerca de 400 bacharéis participaram da segunda fase.

40 comentários:

Anônimo,  17 de novembro de 2009 19:08  

Bom fico triste pelos colegas que não lograram exito, porém temos que pensarmos nos que consegiram identificar a peça e conseguiram aprovação.Acho que a luta não deve ser pela ANULAÇÃO e sim pela ampliação na correção e considerar outras resposta.Assim não seria justo com aqueles que conseguiram.CADA UM NO SEU QUADRADO.....

amparo e sá 17 de novembro de 2009 19:15  

maurício,

existe a possibilidade da exigencia de uma nova prova caso seja anulada a peça? E aqueles que passaram, poderão ser prejudicados?

grata.

Anônimo,  17 de novembro de 2009 19:20  

Sim, professores de cursinhos que não ensinaram ACP e agora querem colocar lenha na fogueira.

Anônimo,  17 de novembro de 2009 19:23  

É caros colegas, muita água ainda vai rolar debaixo desta ponte !! Acredito que essa celeuma acerca da peça trabalhista, não vai ficar de graça !! A pressão sobre o CESPE e o Conselho Federal está só aumentando, daqui alguns dias o Poder Judiciário deve intervir !!! Vamos aguardar

guilherme 17 de novembro de 2009 19:28  

sera que existe alguma possibilidade dessa anulação?
seria o mais sensato a se fazer!

Anônimo,  17 de novembro de 2009 19:29  

Não acredito!!! Esses desqualificados ainda inistem nesse histórinha tola de anulação da prova? Essa gente não toma vergonha na cara mesmo, heim? Além de desqualificados são cara de pau.

Anônimo,  17 de novembro de 2009 19:54  

ACREDITO PERFEITAMENTE QUE É UMA QUESTÃO DE TEMPO, POIS TODOS OS ESTADOS COM CERTEZA PEDIRÃO A ANULAÇÃO, CAUSANDO UM EFEITO DOMINÓ, OU QUEM SABE, SEJA UMA SAÍDA PARA OAB DIANTE DESSA ATRAPALHA FORMADA E GENERALIZADA, QUE DEUS PONHA A MÃO NESSA QUESTÃO!!! SORTE PARA TODOS OS QUE OPTARAM POR DIREITO DO TRABALHO.

Anônimo,  17 de novembro de 2009 19:55  

pois é.... infelizmente este tipo de coisa acontece, OAB é uma das personalidade que podem entrar com adin, ou seja, uma instituição que era pra ser esmerada em lisura, pra mim, tem sua imagem arranhada, desgastada com esse tipo de prova proposto pelo Cespe, a OAB federal deveria antever isso, ter sanado o problema antes de ganhar as proporções que tomou.
Peça horrorosa, mal formulada, evidente que a intenção de quem, formulou as questões teve o intuíto de reprovar em massa.
Gastei 700,00 reais em livros pra segunda fase, seguindo a orientação dos blogs, cursinhos, especialista e tal. Na proxima prova, não será permitido o uso de doutrina, o que fazer com aquele monte de livro???
sem palavras

Anônimo,  17 de novembro de 2009 20:00  

Espero q desta vez a justiça seja feita!!! A prova não foi formulada adequadamente pela CESPE.
Mesmo tendo estudado tds os modelos de peça trabalhista, caiu uma peça civil ação de consignação em pagamento. E cfe. análise do examinador (apesar de ter acertado a peça e 03 questoes, ainda fui reprovada.
Já estou ficando desanimada, pois horas de estudo,cursinhos até altas horas...nd disso valeu a pena...só perdi tempo,dinheiro...e expectativas.
Estou elaborando sozinha um recurso. Vou lutar até o fim (É uma guerra, ter q conquistar um direito a ter liberdade de exercer a profissão no Brasil!!!)É lamentável...
O exame sequer vai te profissionalizar, isto só se aprende na prática, como em qq outra profissão. A diferença é q na advocacia a justiça é uma verossimilhança!!!Vc estuda 05 anos numa faculdade e qdo sai precisa se submeter a exames pra ter o livre arbítrio p/ exercê-la. Pagar cursinhos caros e ainda assim esperar q sejam justos na análise da prova...

Anônimo,  17 de novembro de 2009 20:05  

A verdade é a seguinte, vale o que o CESPE quer. Não sei o que acontece a portas fechadas, mas que o CESPE manda mais que a OAB a isso manda. Portanto Sr. Ilustríssimos Presidentes abaixem a cabeça e mostrem o cofrinho para o presidente todo poderoso do CESPE, pois os Srs. são apenas ocupadores de cadeiras, fantoches que se curvam aos melindres do CESPE.

Anônimo,  17 de novembro de 2009 20:12  

Então, com a adesão de 14 seccionais, a peça deverá ser anulada!
É indiscutível, oe erros da CESPE, não mais digno do que as Seccionais pedirem a anulação...Pois sgnifica que a OAB, não tolera ijustiças, seja de quem for, e ainda com isso ela só reforça a Dignidade e seriedade dela! que zela pelo seus membros!!
Parabéns MT!!!

Anônimo,  17 de novembro de 2009 20:23  

Agora que saiu o resultado não quero que seja anulado, oras! Teve gente aprovada que já está feliz da vida e seria injusto com eles retirar a satisfação de passar no sacrificante EOAB. Concordo que o CESPE/OAB deveriam ter sido mais flexíveis nas correções, mas anular nessa altura da história seria um erro pior ainda!!! Minha opinião.

Pensamentos e realidades 17 de novembro de 2009 20:26  

Fico feliz em perceber que pelo menos parte de alguns presidentes de seccionais no Brasil manifestou-se a favor de todos os examinandos. Sinto-me mais contente ao verificar que o presidente da OAB/MA solicitou FORMALMENTE a anulação da peça pratico-profissional.

Referi-me a todos porque, direta ou indiretamente, todos nós fomos prejudicados pelos enunciados dúbios do CESPE. A sensação que o examinando quer é de eventualmente não ser aprovado em virtude de falha ou desconhecimento próprio, mas não em razão de comando capcioso e com intento de reprovar.

Enfim, espero que outros presidentes de seccionais se solidarizem e manifestem suas opiniões sobre essa triste situação em que nós, bacharéis, estamos sendo compelidos a passar.

Pensamentos e realidades 17 de novembro de 2009 20:26  

Fico feliz em perceber que pelo menos parte de alguns presidentes de seccionais no Brasil manifestou-se a favor de todos os examinandos. Sinto-me mais contente ao verificar que o presidente da OAB/MA solicitou FORMALMENTE a anulação da peça pratico-profissional.

Referi-me a todos porque, direta ou indiretamente, todos nós fomos prejudicados pelos enunciados dúbios do CESPE. A sensação que o examinando quer é de eventualmente não ser aprovado em virtude de falha ou desconhecimento próprio, mas não em razão de comando capcioso e com intento de reprovar.

Enfim, espero que outros presidentes de seccionais se solidarizem e manifestem suas opiniões sobre essa triste situação em que nós, bacharéis, estamos sendo compelidos a passar.

GERSON JERONIMO,  17 de novembro de 2009 20:28  

Sou do Rio Grande do Norte e estou decepcionado com o Presidente da OAB/RN, Paulo Eduardo que se omitiu em relação ao movimento PRO-ANULAÇÃO da prova pratica trabalhista haja vista sua condição de Advogado Trabalhista o que nos deixa revoltados. É pertinente lembrar que no Rio Grande do Norte o indice de aprovação foi de 12,4% o que se evidencia que a grande parcela que optaram pelo area trabalhista foram prejudicados. Só acredito que teremos sucesso nessa luta se optamos pela via judicial, pois esses detentores do controle da OAB não vão contra seus proprios interesses. Peço a todos ajuda na elaboração do recurso tanto administrativo (que não levará a nada) como principalmente a ação judicial. Gratos a todos que nesse periodo todo se solidarizarão com todos os Bacharéis em Direito que fizeram a prova trabalhista. Um abraço a todos. GERSON JERONIMO - NATAL/RN

Anônimo,  17 de novembro de 2009 20:44  

Cá entre nós, eu ficaria muito decepcionada, mas muito mesmo se alguém anular esta prova subjetiva de trabalho:

Primeiro: Eu não fui pra segunda fase, por motivos piores do que essa prova, pq tava na cara que era ACP;

Segundo: Deveriam ter anulado no mínimo mais ums 3 questões da objetiva , pelo menos o que acho sim injusto;

Terceiro: Confesso que acompanho esse blog diariamente, ele é ótimo, mantém vc informado o tempo todo...da pra qualquer um perceber e as coisas estão piorando cada vez mais, pq???? a OAB tem que tomar uma posição e o CESPE tbm...a questão não é reprovar em massa e sim avaliar o conhecimento só isso...é tão difícil assim????

Anônimo,  17 de novembro de 2009 20:47  

Apoi das OAB's, em que pais estes bachareis acham que estão...isto é Brasil e não a França!

Anônimo,  17 de novembro de 2009 21:01  

Gostaria de saber se já tem alguma posição - pois fiz IJ - e zeraram minha peça - só Deus para nos ajudar.

Anônimo,  17 de novembro de 2009 22:26  

AGORA EU SEI QUE PASSEI!! Muito tumultuo nã é? Esse tempo de tumultuo poderia está sendo utilizado para se prepararem para o próximo exame!! Se estivesse reprovado iria recorrer, PRONTO!! ISSO NÃ É SOMENTE O SISTEMA QUE É ASSIM,mas a vida é assim! Movimento assim serve, serve em muito, pois a OAB, Cesp, etc. irão repensar suas formas de aplicação de prova! E só! Vale a manifestãção, mas querer ser aprovado a qualquer custo não é bom para a Sociedade que já conta com tantos despreparos de profissionais!Portnto o esforço, a dedicação nunca são demais! A vida é assim!! São os detalhes!!

Anônimo,  17 de novembro de 2009 22:28  

Se anular a prova de direito de trabalho, terão que anular também a prova de tributário que foi tão capiciosa quanto a de trabalho.
Acredito que isso não vai acontecer... já passou gente de mais!

Anônimo,  17 de novembro de 2009 22:41  

Nobre Dr. Faiad,

Como se vê, o movimento pela anulação da peça trabalhista não é eleitoreiro, e sim baseado nos princípios que nos foram ensinados na faculdade, pelos próprios doutores que hoje dirigem a OAB/MT.

Assim, peço que reconsidere o desagravo feito pela OAB/MT, em desfavor do movimento para anulação da peça, vez que este jamais esteve ao lado de qualquer chapa, e o desagravo foi visto de forma MUITO negativa em todo o Brasil, sendo a OAB/MT a única a se manifestar contrária.

Em tempo, solicito que encaminhe e endosse o pedido de anulação da peça trabalhista ao CESPE, hava visto o enorme número de vícios na mesma.

Anônimo,  17 de novembro de 2009 23:43  

Gerson Jeronimo (isso tem "cheiro" de nome falso), das 20:28, você vai fazer companhia ao tal José Henrique Azeredo, que é aí da sua terra, nas mesas de bares tomando cachaça para derramar as lágrimas pela reprovação. Vão estudar, cambada. O erro de vocês é não estudar e depois ficam querendo aprovação na base do grito. Dançaram.

Anônimo,  17 de novembro de 2009 23:45  

Pra vcs verem como é injusta e mal feita a correçao.Fiz IJ e ganhei dois pontos e nao passei porem tenho colegas que fizeram IJ e zeraram. Vai entender!! Concordo que a Cespe manda na OAB, que vergonhaaaaa!!!!

Anônimo,  18 de novembro de 2009 00:08  

AQUI NO TO FOI ASSIM...ALGUNS CONSEGUIRAM QUE SEU IJ FOSSE CORRIGIDO..MAIS A NOTA NÃO FOI LÁ GRANDE COISA E A CORREÇÃO DAS QUESTÕES...UMA PORCARIA.MESMA COISA DE QUEM NÃO TEVE O IJ ACEITO..AI SIM, AS QUESTÕES FORAM CORRIGIDAS (SE BEM QUE MINHA QUESTÃO 5 ESTÁ CERTA E ELES SÓ ME DERAM 0.30). ATÉ QUEM ACERTOU A PEÇA NÃO PASSOU AQUI..NA MINHA SALA LOTADA PARA 2ª FASE..SÓ PASSOU 1 PESSOA.
A CORREÇÃO FOI UMA PORCARIA.
TANTO QUEM ELABOU COMO CORRIGIU A PROVA NÃO SABE DE NADA! TAMBÉM..NÃO ESTÁ NENHUM POUCO PREOCUPADO JÁ QUE O MAIS IMPORTANTE É SAIR COM OS BOLSOS CHEIOS DE $$$$$ NÉ....

Geronimo Rodrigues,  18 de novembro de 2009 00:32  

Com o devido respeito, a Universidade de Brasília - Unb, que possui o Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (CESPE) – tem neste órgão a responsabilidade de realizar processos seletivos de acesso à UnB, e de prestar serviços a outras universidades e várias empresas; instituições privadas e públicas, federais e estaduais, especialmente na realização de concursos públicos.

No entanto, é um órgão da Unb - e não a própria Unb, razão pela qual não está demonstrando a competência esperada na aplicação deste Exame nacional.

Já, do nosso lado, é no mínimo uma posição de omissão a Nobre OAB permitir que o Centro de Seleção da Unb dispense aos seus Bacharéis em Ciências Jurídicas o mesmo tratamento que dá a outros concursos públicos.

Isto significaria considerar que eles sejam todos iguais, que nascem de uma mesma vertente.

É preciso compreender que Direito não é uma ciência exata, como a Matemática ou a Física o é. Os parâmetros utilizados para avaliar, nos "espelhos", principalmente na Peça privativa de advogado, segue um critério exato e, nesse caso, injusto.

No Exame da OAB se avalia um universo de conhecimento que não pode ser limitado a uma fórmula "se constou ´xxx´(0,20)= 0,20". Esta equação é melhor usada em prova de Matemática e ciências correlatas, por serem ciências exatas; e Ciência Jurídica não pode estar restrita a uma fórmula.
Em Direito há um princípio que diz: me dê o fato que eu te dou o direito. O Juiz tem o dever de conhecer a lei, da mesma forma o Advogado.
Façamos um movimento sólido, mas justo, inclusive, abarcando todos os candidatos que não foram aprovados em virtude do critério de avaliação inapropriado - em todas as disciplinas. É legítimo começarmos por Direito Tributário, por ser a disciplina que, aparentemente causou maior prejuízo aos concursandos, mas não foi a única e nem pararemos por aí.
Acredito que este é só o fio do novelo, que, como dizem os símplices, “ainda vai dar muito pano pra manga”.

Anônimo,  18 de novembro de 2009 04:04  

Apenas uma pertgunta:
- O espelho apenas falava em ACP, RT combinada com ACP (à parte divergências).
Aqui aceitaram: ACP, ACP c/ RT, RT s/ consignação, RT com, no fundamento, pedido de consignação, Inquérito, Inquérito c/ Consignação e, para surpresa de todos ...Parecer Jurídico?!?!?!?!
Critério de correção? Quem explicar ganha um fusca 64!

Anônimo,  18 de novembro de 2009 09:39  

José Cleilson (Ceará).
Nobre Dr. José Henrique Azeredo, solicito informações do acerca das seguintes indagações:
Em que pé está o movimento pro-inquérito?
Como o movimento está se articulando ante o resultado da Prova de direito do trabalho?
O MPF vai entrar na briga?
Aaguardamos informações.
Um abraço.

Anônimo,  18 de novembro de 2009 10:40  

A OAB por incompetência, má gestão RASGA UM EDITAL a cada exame. É muita insegurança.
No Brasil já chega a quase 800 mil advogados, um recorde e a OAB apavorada tenta mudar as regras do jogo a todo momento, criando novas dificuldades. Porque?
Seria mais fácil fechar as faculdades? Eles devem ter seus interesses! As faculdades estão cheias de professores advogados que não encontraram espaço no mercado de trabalho. E agora?
Como para milhões de bachareis querendo trabalhar, mostrar serviço...

O NOVO EDITAL JÁ TÁ NA PRAÇA!

CHEGA DE INCOMPETÊNCIA!
ELEIÇÕES DIRETAS PARA OAB!

Se a prova da ordem fosse bom exemplo (OAB) os outros cursos já teriam copiado esse modelo....(rsrsrsrs)

Anônimo,  18 de novembro de 2009 10:50  

O CESPE está despreparado para aplicação desta prova.
Neste exame mostrou muita imcompetência na elaboração e na correção das provas.
Poderia se pensar num exame para o CESPE, ELES ESTÃO NUM NÍVEL MUITO BAIXO, fraquinho.

QUEM JULGA O CESPE?

Afinal de contas eles não promovem eventos...
O CESPE ESTÁ ENGOLINDO A OAB, daqui a pouco a OAB VIRÁ cespe e vice-versa.

Ou a OAB toma as providência ou vai ser eliminada pelo CESPE, JÁ PENSOU...

Anônimo,  18 de novembro de 2009 11:03  

A questão do exame de ordem por sí só já é absurda, a 0AB deveria sim fiscalizar as Instituições de ensino, mas não o faz, pois, somente vive hj de olofotes e de politicagem, muito distante dos principios para que foi criada a ordem.
Quando a prova, desde a 1º etapa, foi gritante os absurdos cometido pela Cespe e endossados pela 0AB, questões sem sentido que ferem a letra da lei e tudo que aprendemos na academia, recursos administrativos, servirão apenas como preparo para as ações Judiciais, realmente a peça, dava margem a muitos recursos, mas esperar destes senhores que só querem saber de lucrar com o absurdo que é cobrado pelo exame de ordem é demais.
Quanto aos colegas que passaram, parabéns, porém, pensem como classe, como um todo e não como parte, pois, se assim o fizerem, um dia estarão do lado de cá do balcão, injustiçados e marginalizados, uma pena é hora de união, vamos mostrar que nós jovens, temos perfil sim de Advogados e vencedores.

AMIGO DE DEUS 18 de novembro de 2009 11:27  

Não sei pq esse povo ta chorando!! Eles queriam o que??? Uma questão com a resposta na cara. Gente, isso é uma prova!! prova serve pra isso mesmo. Acho que todo mundo ja sabia que o CESPE ia descer a lenha na 2ª fase, haja vista o grande número de aprovados na 1ª.

Segundo o CESPE, a peça está dentro do regulamento, então não há que se falar em irregularidades nesse ponto.

Pedir anulação da prova, é sinônimo de mediocridade. Se acham que a questão estava confusa, então usa o recurso pra provar que a interpretação que tiveram também está correta. É simples!

Sinceramente, não achei a prova dificil, POIS EU ME PREPAREI PRO QUE DESSE E VIESSE, não estudei dentro da vala comum.

Aos que desejam anulação, só fica o meu sentimento de pena.

Anônimo,  18 de novembro de 2009 15:15  

Geronimo rodrigues

Há mto tempo não existe mais "ciência exata". Este conceito é ultrapassado.

Concordo q os critérios para correção foram, no mínimo, estranhos. Mas se queremos argumentar com lógica, o p mínimo q temos q fazer é nos atualizar.

Anônimo,  18 de novembro de 2009 15:20  

é mto fácil colocar a culpa nos cursos de direito. eles nao obrigam ninguém a se matricular e nao obrigam ninguém a estudar neles. Direito não é um curso como medicina ou jornalismo, nao precisa de laboratórios ou equipamentos de última geração. Em direito é só aluno, professor e livros, se os professores sao ruins, ainda restam os livros. O problema é q os alunos nao estudam, nao lêem, por isso fracassam. Depois é muito fácil se livrar da culpa, dizendo q a faculdade é q nao presta...

Anônimo,  18 de novembro de 2009 16:11  

PESSOAL EU TAMBÉM ASSINEI O MANIFESTO Fiz uma RT acertei as 5questões Passei.
Concordo que peçam a anulação, mas para nós que passamos ficaríamos com 1, 5???? Tem que averiguar isso também.... Mas torço por vocês continua odiando esta prova e achando uma grande injustiça (aliás cada vez fica pior) com todos nós que estudamos 5/6anos em uma instituição aprovada pelo MEC.

Anônimo,  18 de novembro de 2009 16:39  

PENA EU VOU TER DE VC NO FUTURO!!!!

Anônimo,  18 de novembro de 2009 16:57  

Usar um recurso com 1000 caracteres é simplesmente vergonhoso.

AMIGO DE DEUS (Que nome sugestivo. Não condiz com seu pensamento)

Pena é o pior sentimento que um homem pode sentir do outro.
Fique pra você....

Boa sorte a todos...

Anônimo,  18 de novembro de 2009 17:26  

sempre a mesma ladainha...
o que os vcs querem? que caia uma petição de juntada????
vão estudar!!!

Anônimo,  18 de novembro de 2009 20:34  

Amigo de Deus:

Me explica como vc rescindiu contrato com ACP???? Ah faça-me o favor!

Anônimo,  18 de novembro de 2009 22:17  

O meu entendimento que não caberia nenhuma das peças. O Inquérito não caberia pelo fato do empregado não ser estável. Não cabe ACP, em primeiro momento porque não houve a rescisão, segundo como vai subsistir à mora se não houve a rescisão. Quem fem ACP e passou,EU SINTO MUITO, PORQUE PASSOU ERRANDO. A "RT", não caberia, tendo em vista que empregador poderia utlizar dos meis administrativos e dispensar o empregado.

Anônimo,  19 de novembro de 2009 15:16  

sou de curitiba, fiz a prova e minha peça nao foi corrigida ou seja recebi 0, porem algumas amigas que fizeram a mesma peça que teve a peça corrigida, mesmo nao sendo aprovadas, nao sei pq e onde foi parar o principio da igualdade.
confesso que estou muito decepcionada com os cursinhos jurico, luiz carlos e lfg, que nao se manifestaram p apoiar seus alunos, bem mais decepcionada estou ainda com o presidente da seccional da oab de curitiba que nada fez ou falou sobre o assunto, quem sabe na sua ignorancia este se quer tomou conhecimento do ocorrido. bom boba sou eu de esperar alguma coisa desta insignificante pessoa,pois deve ser tao frio quanto o clima daqui.

acredito que tem que ter muita gente pra que essa peça seja anulada.
e quanto aos aprovados nao se preocupem caso seja anulada a peça todos receberam a nota da peça o que deria o mais sensato para solucionar tal problema

Postar um comentário

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP