Estratégia de realização de provas

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Excelente artigo da autoria do Dr. Rogério Neiva, juiz do trabalho e professor, outro craque quando o assunto é concurso público. Conheçam o site Tuctor e o blog Tuctor.

Considerando que nesta semana teremos a 2ª Fase do Exame da OAB, bem como logo mais teremos alguns concursos de grande procura para carreiras judiciárias de Tribunais e para a Receita Federal, entendo importante que o candidato tenha uma compreensão estratégica do processo de realização de provas, com ênfase na prova dissertativa, de modo a buscar a eficiência da sua atividade intelectual e alcançar a melhor pontuação possível. Este post conta com a abordagem dos aspectos cognitivos e dietéticos envolvidos, tendo sido a segunda parte desenvolvida com a colaboração do Nutricionista Julio Henrique Aquino, o qual também contribuiu com o meu livro (“Concursos Públicos e Exames Oficiais: Preparação Estratégica, Eficiente e Racional”, Ed Atlas), na parte referente aos cuidados alimentares da preparação para concursos, constante no capítulo 1.4.

Quanto ao plano cognitivo, é preciso compreender que conceitualmente podemos ter duas modalidades de questões de provas dissertativas. Temos as questões de natureza operatória e as de natureza conteudista. Tais questões não apenas contam com perfis diferentes, mas também exigem do candidato distintas habilidades e estratégias de solução.

As questões operatórias geralmente envolvem a colocação de uma situação problema e exigem a solução. Assim, tendem a cobrar do candidato não apenas o conteúdo necessário ao enfrentamento do problema, mas também a habilidade de raciocínio para a construção da solução. Um exemplo de questão operatória seria uma pergunta na qual o examinador narra que foi ajuizada por um trabalhador ação postulando o adicional de insalubridade, requerendo a condenação com base no salário contratual, vez que teria pago sobre o salário mínimo. A partir desta narrativa, o examinador indagaria ao candidato como a causa deveria ser julgada.

Para solucionar uma questão operatória, o candidato deve adotar a seguinte estratégia. O primeiro passo consiste na identificação do problema. O segundo passo envolve a identificação das variáveis do problema. Na seqüência, o candidato apresenta as possíveis soluções, sendo que a conclusão deve envolver a tese predominante na jurisprudência – se houver- ou o seu entendimento, mas tendo o cuidado de não sustentar sua posição com veemência e intensidade, para não correr o risco de contrariar o examinador.

Tomando o exemplo acima, o primeiro passo seria identificar o problema, colocando que este envolve a definição da base de cálculo do adicional de insalubridade. Quanto às variáveis, estas seriam as seguintes: (1) previsão infraconstitucional – correspondente à CLT ou algum estatuto de servidores públicos- estabelecendo como base de cálculo o salário mínimo; (2) redação do art. 7º, IV da Constituição Federal, prevendo que é vedada a vinculação do salário mínimo para qualquer fim. A partir destas variáveis, podemos ter duas possíveis teses: (a) a adoção do salário mínimo como base de cálculo é inconstitucional, pois viola a literalidade do art. 7º, IV, da CF; (b) a adoção do salário mínimo como base de cálculo é constitucional, vez que a restrição estabelecida na CF teve o intuito de evitar a indexação de preços, de modo a permitir a evolução do padrão de consumo, o que seria resultado, inclusive, de uma interpretação conforme do mesmo dispositivo. Para concluir, bastaria colocar que o TST havia adotado a tese “b” e o STF adotou a tese “a”, por meio da Súmula Vinculante no. 04, colocando fim ao referido debate no plano jurisprudencial.

Já as questões conteudistas vão exigir do candidato a mobilização de conceitos apropriados, ou seja, valoriza o conteúdo em detrimento do processo de construção de raciocínio. Normalmente, tais questões contam com comandos do tipo “disserte sobre…”, “conceitue…”, “defina e descreva o instituto da…”. Mesmo não sendo cobrado do candidato a solução de problemas, também é preciso contar com estratégia para o enfrentamento da questão, inclusive no tocante à estruturação da resposta.

No caso, geralmente o ideal é que o candidato trabalhe com o roteiro básico envolvendo apresentação de conceito, natureza jurídica, fundamento ou previsão legal ou constitucional, alguma informação histórica eventualmente disponível, bem ou valor jurídico tutelado com o instituto, efeitos típicos e possíveis controvérsias.

Ainda tomando emprestado o exemplo acima, uma questão conteudista seria formulação na qual o examinador determinasse para o candidato discorrer sobre a base de cálculo do adicional de insalubridade. No caso, o candidato deveria conceituar o adicional de insalubridade, indicar os dispositivos onde está previsto, apontar o contexto histórico de surgimento do instituto, esclarecer que visa proteger a saúde do trabalhador, indicar a definição legal sobre a base de cálculo e a previsão constitucional sobre o tema, colocando o referido debate como uma controvérsia inerente ao instituto. E para tanto, o candidato, naturalmente, deve se organizar para desenvolver a resposta, de modo que tenha uma estratégia e não saia escrevendo o que vem à mente e da forma como vem, isto é, fazer um “brainstorm” na resposta.

Mas o fundamental mesmo é que o candidato compreenda que, independente da natureza da questão, a produção de uma resposta eficiente exige uma compreensão estratégica e racional da pergunta. Por outro lado, tal compreensão, voltada à busca de eficiência no processo de realização de provas, não passa apenas pelo aspecto cognitivo. O candidato também precisa ter uma preocupação com os aspectos dietéticos e alimentares.

Neste sentido, vão algumas dicas do Dr Julio Henrique:

1.Não ingerir bebidas alcoólicas por pelo menos 72 horas antes da prova, pois a intoxicação alcoólica deprime o sistema nervoso central.
2. Faça uma refeição leve 30 minutos antes da prova. Tente ingerir frutas. A quantidade de carboidrato logo antes do esforço mental ajuda a manter os níveis de glicose e assim dá suporte ao início da prova.
3. Leve um isotônico ( tipo Gatorade ) e tome um gole grande a cada 25-30 minutos.
4. Compre um chocolate meio amargo e coma um “quadradinho” a cada 25-30 minutos. Outro fator importante é o aporte calórico. Assim, o chocolate, que é um alimento rico em gorduras, ajuda a manter a quantidade de caloria no decorrer da prova.
5. Evite comidas com muita gordura ou fritura na noite anterior a prova. A congestão do sistema hepático pode debilitar o transporte de sangue no corpo e assim prejudicar a oxigenação do cérebro.
6. Aumente a ingestão de água 3 dias antes da prova. A água é um agente detoxificante, desta forma ela pode ajudar a eliminar as toxinas presentes no corpo.
4. Coma de 3 em 3 horas nos 5 dias que antecedem a prova. Coma de 1 a 2 frutas nos intervalos das grandes refeições.Uma alimentação bem distribuída ajuda a manter o corpo com uma boa quantidade de energia durante o dia, fazendo com o stress diminua.
5. Não coma exageradamente após a prova. Após a prova uma alimentação sem exageros fornece ao candidato o equilíbrio corporal suficiente para que no mesmo dia ou no dia seguinte ele já inicie seu cronograma de estudos.

Considerando todas as ponderações apresentadas, seja quanto ao aspecto cognitivo, seja quanto ao plano dietético-alimentar, o candidato deve entender que não basta ter uma preparação eficiente. Também é preciso imprimir eficiência ao longo da realização da prova, a qual consiste no ápice de todo o processo de busca da aprovação. Com estas atitudes, o candidato estará assegurando todas as condições para que visualize seu nome na lista de aprovados.

Boas provas e sucesso!!!

ROGERIO NEIVA

3 comentários:

Anônimo,  22 de outubro de 2009 16:20  

Olá Dr. Mauricio.

Muito bom este post sobre as estratégias...
Eu segui seu conselho, e já imprimi o edital, inclusive aquele que fala na bibliografia.

Queria aproveitar para ressaltar um tópico, aliás, o primeiro deste que fala no material permitido e proibido, seguinte:

"1º Na prova prático-profissional é facultada a consulta a obras editadas que contenham legislação,
doutrina e repertório de jurisprudência. É vedado o uso de obras que contenham qualquer tipo de formulários e modelos de petições, INCLUSIVE AQUELAS QUE INDUZAM À RESPOSTA ESPERADA PELA BANCA e os citados no item 6.13.1 do edital 2009.2."

Tudo bem, claro que não se pode levar modelos, mas o que eles querem dizer com: "INCLUSIVE AQUELAS QUE INDUZAM À RESPOSTA ESPERADA PELA BANCA"?

Eu pelo menos, só levaria livros que eu esperasse que me induzisse à resposta esperada pela banca, ou seja, a resposta certa!

Achei estranho...

Anônimo,  23 de outubro de 2009 10:40  

Confesso que estou muito nervosa, cheio de dúvidas, mas só de star na segunda fase é um alivio, quero parabenizar o blog pois foi um grande amigo nesses últimos meses.

CONCEIÇÃO,  25 de outubro de 2009 20:10  

EXCELENTE BLOG, CONTINUE MOTIVANDO,
FAZ MUITA DIFERENÇA UMA BOA MOTIVAÇÃO!
EXPERIÊNCIA PRÓPRIA. A VIDA É LUTA Q AOS FRACOS ABATEM, SÓ OS FORTES SOBREVIVEM.
OBRIGADO.

Postar um comentário

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP