Recursos do certame vão ser discutidos no Rio de Janeiro

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Na semana que vem, o presidente da Comissão de Estágio e Exame de Ordem da OAB-GO, conselheiro seccional Júlio César do Valle Vieira Machado, vai participar do Colégio de Presidentes de Comissões de Exame de Ordem das Seccionais da OAB. O evento está marcado para sexta-feira (12), no Rio de Janeiro. Na reunião, serão analisados os recursos interpostos pelos candidatos na primeira fase da edição 2009.1 do certame.

A OAB-GO vai levar para a discussão seis questões da primeira etapa do Exame de Ordem, que já foram apresentadas ao Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe) e à Coordenação Nacional do Exame. "São questões que, a nosso ver, merecem ser revistas por ter plausibilidade nos recursos apresentados", explicou Júlio César.

O conselheiro explicou ainda que, em parceria com a Comissão de Ensino Jurídico e com o Fórum Permanente de Discussão pela Qualidade da Educação Jurídica em Goiás, repassou às faculdades de Direito em Goiás a prova aplicada na primeira etapa do certame e o gabarito, pedindo críticas e sugestões. "A única que respondeu foi a faculdade de Direito da Uni-Anhanguera", disse.

A primeira fase do Exame de Ordem foi realizada no dia 17 de maio em Goiânia, Rio Verde e Anápolis. Dos 2.710 candidatos que fizeram as provas, 14,85% foram aprovados no estado. Na classificação de desempenho entre as seccionais, Goiás está em 21º lugar. O primeiro lugar ficou com OAB-SE, onde 33% dos candidatos foram aprovados na primeira etapa. A segunda etapa está marcada para o dia 28 de junho.

Fonte: OAB GO

Nas seis anulações do exame passado, ficou uma impressão geral de que estas decorreram mais da péssima impressão causada pelo elevado número de reprovados do que exatamente um interesse real em reparar as questões mal-concebidas. Pelo visto, essa tendência se mantém.

Ainda é cedo para dizer quantas questões serão anuladas, mas essa notícia dá um indicativo plausível. Ou mesmo, seria uma senha velada para os bacharéis do que irá acontecer.

Como todos já sabem, é enorme o número de questões problemáticas na prova objetiva, tal como já aconteceu em muitos exames anteriores. A anulação de somente seis questões seria mais uma forma de jogar "água na fervura" do que exatamente reparar todas as incongruências constatadas na prova.

O que é difícil de compreender e aceitar é a sistemática repetição de questões defeituosas em todo exame de ordem. Isso não só prejudica o candidato que se depara com dubiedades que geram dúvidas, levando-o ao equívoco, e, por tabela, aumentando as reprovações, como também põem em xeque a qualidade do processo de avaliação de conhecimento promovido pelo próprio exame.

É simples o raciocínio: se uma questão apresenta um problema em sua concepção, aumenta a probabilidade do candidato de errá-la, por visualizar duas alternativas aparentemente corretas (ou erradas) e optar por uma delas, tendo o azar de que a orientação do Cespe seja no outro sentido. Agora, se dez ou quinze questões têm esse tipo de problema, e apenas três ou seis delas são efetivamente anuladas, com quem fica o prejuízo? Isso é absolutamente inaceitável. A prova tem de ser tecnicamente perfeita, por uma simples questão de lisura de todo o certame.

Não se questiona que o exame deve realmente ser unificado, mas já é hora de se perguntar se o Cespe merece continuar como sua instituição organizadora. O trabalho está aquém do que os bacharéis de direito merecem e isto não é de agora. Na última reunião do Colégio de Presidentes das Comissões de Exame de Ordem isso foi explicitamente dito em alto e bom som, mas nada de diferente ocorreu.

Com a palavra, a OAB.

39 comentários:

Carol (RECIFE/PE),  5 de junho de 2009 14:28  

Parabéns Dr. Maurício... concordo plenamente com suas palavras!!!

Estou na 3ª tentativa de aprovação neste "bendito" exame, quem sabe na próxima rsrsrs

Decidi não fazer o exame 2009.1, pois estava muito estressada... achei melhor relaxar um pouco o juízo para poder me dedicar melhor e com mais afinco.

Seu blog é de imensa importância para nós, estudantes e bacharéis em Direito... PARABÉNS MAIS UMA VEZ!!!

E obrigada pelo apoio e incentivo...

Abraços... Carol (RECIFE/PE)

CASTELLO/RIO,  5 de junho de 2009 15:23  

O IMPRESSIONANTE É QUE COM 100 QUESTÕES QUE SÃO ELABORADAS MAIS PARA REPROVAR DO QUE TENTAR APURAR OS MELHORES, AINDA TEM QUE PASSAR PELO TESTE DA SORTE, POIS QUANDO QUALQUER BACHAREL SE DEPARA COM VARIAS QUESTÕES COM MAIS DE UMA RESPOSTA, O EMOCIONAL FICA TOTALMENTE COMPROMETIDO E PASSA A FAZER UMA PROVA COM POSIÇÃO DUVIDOSA E COM ISTO O OBJETIVO DO EXAME CAI POR TERRA. NÃO É O PRIMEIRO E PELO ANDAR DA CARRUAGEM NÃO SERÁ O ULTIMO, MAS UMA COISA É CERTA, TEM QUE SER MODIFICADO COM URGÊNCIA.

Anônimo,  5 de junho de 2009 15:31  

Dr. maurício, como eu já disse muito antes, bem no início da discussão sobre o assunto de anulações, eu não acredito na anulação de mais de uma questão neste exame, e não acredito só porque a OAB está "apavorada" com a possibilidade de muitas anulações provocarem uma imagem ruim do exame e os Senadores, por isso, decidirem votar pela extinção na votação do projeto de Lei 186/06. O que ocorre é que a prova teve (e não foi a primeira) muitas questões que se levássemos ao pé da letra deveriam ser anuladas (pelo menos umas 20), já que induzem o candidato a erro e além de induzirem a erro elas têm vícios na sua formulação (até mesmo dolo há, pois a má fé, com intenção de reprovar, fica clara em algumas), mas, como eu já disse, acho difícil a Comissão, que por sinal vai gastar nossa grana (das taxas de inscrição)no Rio de Janeiro.Lógico,se nós estamos sempre dispostos a participar do exame e consequentemente a pagar a taxa extorsiva que é imposta pela OAB, a instituição é rica o suficiente para ficar se dando ao luxo de discutir os recuros no Rio de Janeiro quando esses recursos já deveriam ter sido julgados e o resultado final já ter sido publicado, mas não, vão esperar o encontro do Rio, vão primeiro comer suas lagostas lá, tomar um banho de mar, para depois divulgar o resultado. Em fevereiro foram todos para o Mato Grosso do Sul e de lá só sairam sugestões "cala boca" (nenhuma foi posta em prática e nem mesmo sabemos se foram analisadas, pois a OAB, como de costume, adota a estratégia do silêncio) e no Rio vai ser a mesma coisa, sugestões "cala boca" vão aparecer.
Quanto ao assunto CESPE, acho, sinceramente, que não deveria ser a entidade responsável pela elaboração e aplicação do exame, isso pelo simples fato de ter ex-alunos da UNB fazendo o exame e, coo se sabe, o CESPE pertence à UNB. Não significa que tais alunos estejam sendo benefiociados, não é isso, mas é questão de transparência, de moralidade.

Alessandro 5 de junho de 2009 16:00  

Engraçado.
Ninguém testa as questões antes de elaborarem a prova?

Concordo com você Maurício, chega de questões com um único propósito - fazer com que o candidato erre a questão e justificar posteriormente o número de aprovados, ainda mais com o número de bachareis de SP neste exame.

Discordo, todavia de um ponto, quem deve parar de meter o bico na prova é a OAB. A CESPE apenas deve realizar seu trabalho de forma segura como faz em tantos outros concursos.

Anônimo,  5 de junho de 2009 17:07  

Dr. mauricio,

Vc é manifico, a respeito de tudo que aconteceu em relação aos candidatos, que com certeza está nuhuma tristeza sem fim... ainda mais quando se fala em CESPE, que coisa horrivel estão preocupados em reprovar do que aprovar isso é ridiculo, rezo todos os dias para que O CESPE não venha mais elaborar a prova do exame da ordem, porque essa situação está no limite.Muito obrigada pelo carinho em apoiar nossas frustações.
Um abraço

Anônimo,  5 de junho de 2009 17:12  

Acho que tem se fazer justiça em relação as questões a ser anuladas, porque o CESPE está elaborando uma prova em sentido justamente para acabar com jizo dos candidatos, isso é está ficando cada mais insuportavél se é para anular que sejam anuladas (vinte questões) que por sinal estão amparadas na lei comforme a fundamentação de cada uma. Então a culpa não é nossa e sim do CESPE. Que justiça seja FEITA

Um abraço Dr. Mauricio

Led 5 de junho de 2009 17:32  

Parabéns, Dr. Maurício. Concordo com tudo que foi dito. Fiz essa última prova e a anterior (2008.3) e passei nas duas (raspando, com 55 e 52).. Mas sei que as questões prejudicam muuuita gente. Um absurdo.
Não sou contra o Exame.. Sou contra a forma como o CESPE o aplica.

Alessandro... Como assim "quem deve parar de meter o bico na prova é a OAB"?
O Exame é exatamente para ingressar na OAB... Como ela não vai fiscalizar e corrigir (pelo menos uma parte) os problemas?

Anônimo,  5 de junho de 2009 20:57  

Entendo que deve haver uma avaliação de desempenho/competência com examinadores que elaboram o exame de ordem. A anulação de questões indenpendente do número comprova incompetência ou melhor falta de comprometimento com a instituição e desrespeito com as pessoas. Comprova mais uma vez que a OAB é omissa já que delegou este exame a CESPE. Já sei qual a resposta: "No direito tudo é possível"

Anônimo,  6 de junho de 2009 01:13  

Vejam o título da matéria: "Recursos do certame...". A própria OAB, ao empregar a expressão CERTAME admite que o exame é um concurso público disfarçado e isso é absolutamente ilegal e inconstitucional.

Anônimo,  6 de junho de 2009 10:21  

33% foi o maior inice de arpovação, é mole? Alguma coisa está erro nesse CONCURSO VELADO promovido pela Ordem dos Advogados do Brasil

Anônimo,  6 de junho de 2009 11:48  

Agora peraí..com tantas anulações possíveis, o que essa prova mede?..sorte?..não é uma prova plausível, coesa..o engraçado é que quando saiu o resultado.." o ensino jurídico é ruim..isso prova o tanto de más faculdades"..e agora..o que dizer acerca dos doutores que elaboram as provas?..são piores do que aqueles que não passam, pelo fato de nem eles saberem a resposta correta e terem de se reunir para discutirem as possíveis anulações..faça-me o favor..

Anônimo,  6 de junho de 2009 15:44  

O doutor ou alguem tem noçao de quais seriam as discutiveis e provaveis questões que merecem ser revistas por ter plausibilidade nos recursos apresentados ?

Anônimo,  6 de junho de 2009 18:08  

Revistas todas vão ser, pois há uma "chuva" de recursos, agora, anuladas, pode tirar o cavalinho da chuva, pois nenhuma anulação vai ocorrer.Não sou vidente, mas tá na cara que a OAB não vai querer sofrer uma saraivada de critícas, ela não vai querer que o exame seja posto em dúvida. E o CESPE que não é besta e nem nada, não vai querer correr o risco de perder tanta grana que recebe por aplicar as provas.

Anônimo,  6 de junho de 2009 20:05  

Oi, amigos vejam só o tamanho do indice de reprovação, podemos dizer que a culpa é nossa quando na verdade quem elabora a prova é o CESPE, isso tudo já virou comercio que falta de respeito e onde está o nosso direito? que
somos induzido ao erro quando estamos respondendo essa bendita prova isso é inconstitucional, onde esta a dignidade da pesoa humana? e a nosa imagem que está sendo ridiculariza pelo indice de reprovação isso tem que ser reparado. Vamos nos unir amigos e dar um basta nessa situação...

Anônimo,  6 de junho de 2009 21:46  

Lanço uma idéia, que poderá ser contrária a vários pensamentos qto ao exame, mas nos bel., deveriamos não prestar os exames de 2009.2; 2009.3 e só o 2010.1, se for alterado algumas posições pela PL 186/06

Anônimo,  6 de junho de 2009 23:37  

Estou plenamente de acordo.
Um protésto com sabedoria.
Se nos 3 (três) próximos exames a OAB não arrecadar essa fortuna que é o dinheiro das incrições,mudanças vão ter que ser tomadas, inclusive mudança de estrutura dessas provas, ou até mesmo, a retirada desta banca, que se julga a melhor banca do país.Boa sorte a todos.

Anônimo,  6 de junho de 2009 23:43  

Esta de boicotar o exame seria uma excelente ideia. Mesmo que não haja adesão de 100%, se 60% em cada Seccional aderirem já é mais que suficiente para inviabilizar a realização do exame, isso porque na verdade a OAB quer é arrecadar, ela não vai querer bancar ois custyos da realização do exame e para que ela não bancasse a taxa de inscrição teria que ser pelo menos R$ 1.000,00 e aí ninguém vai pahar isso. Vamos por em prática o boicote, Anônimo 21:46, já tem a minha adesão.Além do mais, um movimento de boicote é a melhor forma de chamar a atenção das autortidades, dos parlamentares do Congresso Nacional e da sociedade em geral. Não precisa violência,basta o boicote.

Anônimo,  6 de junho de 2009 23:44  

Dr. Maurício, em pelo menos duas ocasiões li comentários nos quais você diz ser favorável à realização do exame. Ainda mantém a mesma posição?

Maurício Gieseler de Assis. 7 de junho de 2009 00:08  

Em bem mais de duas ocasiões me manifestei favoravelmente ao exame. E continuo pensando da mesma forma.

Anônimo,  7 de junho de 2009 10:08  

Boicote ao exame não é a a melhor solução . Ao contrário para a OAB que é corporativista e usa este exame para reprimir a demanda nada vai mudar Para AOB quanto menos melhor e está conprovado com o rigor que vem exercendo. Este exame só vai acabar quando houver vontade politica destes parlamentares que estão no poder ou uma ação contundente junto ao STF que é o guardião da Constituição. Já joguei a toalha e não acredito em mais nada. O PLS186/06 já esta morto.

Anônimo,  7 de junho de 2009 14:58  

Olá, boa tarde....está um lindo dia ensolarado, acabei de vir do almoço em família...domingo...abri a página do blog, pq ontem não acessei (é um vício já, não tem jeito...hahaha)...e hoje me deparei com este comentário....é tudo de bom ler essas linhas e melhor ainda as entrelinhas. Retomo meus estudos para novamente fazer a 1ª fase. Recebi mensagem da amiga que está em Curitiba comendo os livros pra 2ª fase e ainda tem um tempinho pra me manda msg dizendo que eu não posso desistir e nem vou...se é isso que eles querem, nanana sigo fielmente na luta, pq mais uma vez bati na trave no final da copa do mundo aos 45 minutos do 2º tempo e sem direito a prorrogação. Mais uma vez ficarei com umas 48-49 questões depois de anular umas 3 , se é que vai da três, pq a cespe me quase me convenceu que fucinho de porco é tomada, só pode. Tenho refletido se por acaso devo seguir outra carreira e não mais esta de ser advogada, mas quando eu penso em outra profissão não consigo visualizar na minha mente eu fazendo algo que não esteja na massa do meu sangue, espero que Deus não me leve desta pra melhor ou p...antes de ver realizado meu sonho, sonho de tantos quanto eu que estão nessa luta...Ainda bem que tem palavras sábias que me ajudam a entender que o sistema de aplicação é muito estranho. A cespe tem que ser 100%, não pode existir margem de erro alguma. Li o comentário de instruções (básicas) para a internauta conseguir lograr êxito dias atrás no blog...e estou fazendo meu dia dar 30 hs, pra conseguir seguir a risca, mas é difícil o se é...Com tanto diz que diz sobre a educação, nós brasileiros poderíamos ser top de linha na educação se tivessemos governantes a altura de seus diplomas...agora pra investir dinheiro atras desse tal vôo que sumiu, isso sim tem, aliás nem divulgam essas coisas...queria saber quanto vai custa isso...pq aki na minha cidade nem corpo de bombeiro tem...acidentes nas rodovias de minuto em minuto...e cadê todo o aparato...nesse país ta tudo errado...indo na contra mão...e eu aki nesse fim de mundo e não podendo fazer nada...só desabafar nessas linhas e dizer obrigada Dr. aki eu ainda posso fala, fica com Deus.

Anônimo,  7 de junho de 2009 15:12  

Protésto sim, gol contra jamais. Deixar que a OAB faça o que bem entende, é uma coisa, fazer um protésto é outa coisa totalmente diferente, estou querendo dizer, algo tem que ser revisto. Dr Maurício, com todo respeito, acho que a melhor coisa a ser feita é um boicóte temporário. Nada é eterno,más mudanças podem ocorrer. Abraços a todos.

Anônimo,  7 de junho de 2009 15:19  

Quanto menos melhor nada, isso porque o interesse da Ordem não é só reprimir a demanda, mas é reprimir a demanda e TAMBÉM (são interesses cumulativos) sem perder a arrecadação. E tenho certeza que sem a arrecadação a OAB iria ter interesse em que todos os bacharéis fizessem o registro na Ordem, pois assim iria existir a anuidade.Além do mais, boicote em grandes proporções significaria que a OAB, fatalmente, teria que custear a ralização do exame (só o valor das inscrições não seria suficiente)e aí ela, como gosta mesmo é de grana em sua conta bancária para os caras (e as caras) irem passear no Rio de janeiro ou que que o valha à custa dos bacharéis, ela iria abandonar de vez a ideia do exame.

Anônimo,  7 de junho de 2009 15:26  

Por que acordar, Dr. Maurício? Acha que os bacharéis não tem tal força? Se este for o seu pensamento, vou só lhe dá um exemplo: lembra-se quando fizeram a denúncia pedindo o impeachment do então Presidente Collor(se não me engano foi até o então Presidente da OAB que fez)? Pois bem, naquela ocasião todos eram céticos e afirmavam que não haveria a menor probabilidade daquilo ser levado adiante. E o movimento foi crescendo, crescendo deu no que deu.

Anônimo,  7 de junho de 2009 15:28  

Honestamente, se você continua pensando a mesma coisa há contradição em seus textos. Não que você deva necessariamnete sr favorável, cada um tem a liberdade de se posicionar como bem entende, só que há muita contradição nas suas manifestações.

Maurício Gieseler de Assis. 7 de junho de 2009 15:31  

Copie e cole as contradições para que eu possa comentar. Nunca me posicionei contra o exame, mas somente contra a forma como a prova é aplicada. Há uma diferença substancial nisso.

Maurício Gieseler de Assis. 7 de junho de 2009 15:37  

Acordar? Simplesmente porque esse tipo de movimento não terá nenhuma adesão. Se você pensa o contrário, bote a mão na massa e faça acontecer, mesmo que sejas movido pela convicção de que foi o primeiro a ter essa idéia...

Rita 7 de junho de 2009 19:52  

Parece que estamos chovendo no molhado...abolir o exame não é a melhor saída, porém o modo como ela vem sendo formulada é que é o "X" da questão. Vejamos...todos concordamos que pelo menos 20 questões são confusas e mal elaboradas (não estou dizendo que serão anuladas). Se este exame que tem a obrigação de perfeição técnica...afina... (para aferir conhecimentos, deve ser feito por quem o detém), fosse elaborado com questões indiscutíveis, os reprovados seriam minoria, ou seja...acrescenta aí 20 pontos e vejam quantos ficariam de fora... O problema maior, é que ninguém compra a nossa briga...vários blogs e sites, juristas e operadores do Direito, comentaram a prova, como uma velha armadilha, com a intenção exclusiva de angariar fundos...porém ninguém faz nada, tudo fica como está, afinal é só pagar mais R$ 150,00 e jogar os dados de novo. Até quando? Foi minha primeira prova e fiz 47 pontos, porém, em pelo menos 30 questões tive que optar, ora pela menos errada, ora pela mais certa, ora pela mais completa ou menos incompleta. Se não vai mudar, ok...não vai mudar...o que não quer dizer que eu tenha que estudar mais, e foi exatamente isso que me desaniou... se passei 4 meses estudando e fiz 47 pontos sendo que 30 foi com a tão esperada sorte, logo, nem que eu respire livros não irei passar...a não ser que em uma de minhas tentativas, Júpiter esteja alinhado com Saturno e o Sol diretamente na ascendência do meu signo...daí eu pergunto...querido professor...de que me valeu 5 anos de faculdade, 118 processos em estágio da faculdade, estágio de 500 horas em uma DP e 2 anos trabalhando em escritório de advocacia? De uma coisa tenho certeza...meu conhecimento técnico e prático jurídico não foi aferido...e isso é que me faz dormir em paz!

Anônimo,  7 de junho de 2009 21:25  

Rita, "fia", ninguém faz nada porque todos os que você citou que comentam o exame são os maiores interessados na permanecência dele. Até eu, que sempre fui contra, estou começando a ganhar uma grana boa com a indústria "examenística" (eu que criei esta palavra) e agora sou a favor que ele não acabe.

Anônimo,  7 de junho de 2009 22:40  

se sente o cheiro, olhe para o céu, porque lá estaram os abutres, sempre buscando cadáveres..
Este exame foi uma grande rapinagem, sem compromisso com a verdade e a moralidade, induzindo a erro selecionam o minimo possivel para manter seu precioso coorporativismo.
Me senti lesado, prova ruim, dificil interpretação, nesse caso não poderia alegar um vicio redibitorio(rs)uma pena que não posso reaver meu dinheiro de volta, pois já que é para sacanear, puxa assim não brinco mais.

Anônimo,  7 de junho de 2009 22:43  

Gostei do último comentário, estudei bastante para o último exame fiz 45 pontos, vou esperar os acontecimentos, estou preparado para fazer a 2ª fase, ou então, dar um tempo até a pôeira abaixar, minha familia não aguenta mais tanto sofrimento. Agora...se o movimento pegar força para mudar alguma coisa, estarei pronto para somar forças.

Rê M,  7 de junho de 2009 22:47  

Olá, Dr. Maurício, fico muito feliz ao ver pessoas como o senhor interessadas em ajudar todos nós que estamos tentando ingressar na OAB! Estou no meu 3º exame: nos dois anteriores, com as anulações cheguei a 49 e nesse agora fiz 47 e estou na torcida para chegar aos 50...
Considero o Exame da Ordem necessário, pois, diversos magistrados com os quais tenho contato, dizem coisas absurdas que advogados falam e/ou escrevem em suas petições, contestações e recursos.
Entretanto, acho um MASSACRE essa prova e a maneira como é aplicada: parece que também querem afetar a nossa estabilidade emocional.
Acho que os advogados já inscritos na OAB deveriam, de tempos em tempos, ser submetidos à argüições para que os Conselhos da OAB não queiram restringir a entrada de futuros advogados da maneira como estão fazendo agora.
Obrigada pela força e pelo acompanhamento constante!

RÊ,  7 de junho de 2009 23:21  

Dr. Maurício,

o senhor acha que para uma pessoa que fica por uma questão vale a pena entrar com MS para fazer a prova da 2ª fase?

Obrigada pela atenção!

Anônimo,  8 de junho de 2009 16:32  

Rê, vou meter meu bedelho na conversa: se eventualmente você foi prejudicada em alguma questão tem que ingressar com MS, não deve se conformar. Mas o que geralmente ocorre é que muitas pessoas, não sei se é o seu caso, querem ingressar com MS só porque não conseguiram acertar 50 questões e isso, por si só, não legitima o Mandado de Segurança, é preciso que um direito seu tenha sido violado. Em suma, impetrar MS por impetrar nunca vale a pena, mas impretra-lo por ter ocorrido um ato abusivo da autoridade, é evidente que vale a pena.

Anônimo,  8 de junho de 2009 17:01  

Meus amigos tenho uma pergunta a fazer, vcs já param para pensam em quantos R$ gataram para fazer o exame?Então amigos o minimo que podemos fazer é boicoitar mesmo e digo mais à aqueles que não querem é porque não sabem o que é ser lesado, arrasado e... Amigos vamos nos unir temos que protestar contra essa arbitragem nós somos ou não somos operadores do DIREITO...

Anônimo,  10 de junho de 2009 12:31  

Led,

"Parar de meter o bico..." Tem relação com a forma das questões que são inseridas na prova, sendo estas capiciosas e muitas vezes com mais de 1 alternativa correta.
Existem bacharéis que impetrarão MS para 25 questões só desta prova.(todas bem fudamentadas)

A OAB tem que para de elaborar provas deste tipo só para confundir o candidato, ou ainda, justificar certo número de questões como corretas para aprovar certo nº de inscritos no exame.

Um exemplo: Temos A e C como alternativas corretas, mas vamos deixar como correta a alternativa C, pois assim aprovamos somente 15% dos candidatos.

Anônimo,  11 de junho de 2009 19:11  

Ola ! Boa noite a todos.
Amanhã as 11:00 hs será possivel saber quantas questões irão ser anuladas?
Boa sorte para quem aguarda o resultado.

Ailton,  18 de junho de 2009 13:53  

Olá Dr. Mauricio e amigos do blog!
Peço se possível alguém enviar-me fundamentos sobre as questões 08, 92 e algumas outras para melhorar meu MS, pois estou precisando de uma questão para que possa fazer a 2ª fase.
Até! Email. ailtonfteixeira@hotmail.com

grato!!!

Postar um comentário

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP