"O exame está cada vez mais fácil"

quinta-feira, 28 de maio de 2009

"Também ontem a OAB se queixou de que mesmo com exames da Ordem cada vez mais fáceis, cada vez mais diplomados em direito são reprovados."

Essa frase faz parte de uma reportagem do jornal "Bom dia Brasil", da Rede Globo. Não sei qual é a fonte, mas tal informação só pode ser uma piada.

Clique no link para ver a reportagem:

Milhares de professores não têm diploma adequado, diz MEC

21 comentários:

Lígia 28 de maio de 2009 13:20  

É uma piada mesmo... Então pq não fecham várias faculdades com a política "McDonald's" de angariar consumidores/alunos?!
Quero ver o presidente da OAB fazer a prova e passar!

Fernando Ortega,  28 de maio de 2009 13:40  

Grande Maurício,

Esta frase foi dita pelo Alexandre Garcia durante o programa "Bom Dia Brasil" de hoje. O contexto da fala foi sobre Educação durante a reapresentação da matéria exibida pelo Jornal Nacional na noite de ontem, quarta, na qual foi abordado que parte dos professores brasileiros não tem qualificação/capacitação para serem professores.

Anônimo,  28 de maio de 2009 13:43  

Uma piada de péssimo gosto, diga-se de passagem.
A prova além de difícil, está confusa, mal formulada, acho que é isso o motivo da dificuldade.

Anônimo,  28 de maio de 2009 14:18  

Fala sério... Acho que minha primeira atitude como advogada vai ser agendar uma audiência com a presidente da OAB/DF e propôr um desafio: que todos os conselheiros se submetam à prova. Se 40% deles passaram, eu fico calada... Mas é coisa que duvido!

Anônimo,  28 de maio de 2009 14:54  

é o que eu falo nos meus comentários abaixo..a OAB é elitista..considera que o problema vem desde o ensino fundamental..é o que eu já disse..quem hoje em dia consegue ter bom estudo desde pequeno?..quem consegue estudar hoje no Colégio Rio Branco, Dante Alighieri, Archidiocesano, São Luís?..quem consegue "bancar" uma mensalidade de 1.200,00 a 1.800,00 nesses colégios tradicionais aqui se São Paulo?...quem estuda na USP consegue..ou mesmo que não seja esses tão tradicionais assim..quem consegue estudar em uma escola particular desde pequeno?..Aonde se encontra boas escolas públicas que te preparam para USP, UNB, UFRJ?..agora prá OAB é facil falar primeiro - o problema está nas péssimas faculdades e agora em segundo, que o problema está no ensino fundamental..e cada vez mais a OAB vai arrumar desculpas para dizer que a prova é fácil..nós somos os prejudicados por não ter tido um bom estudo...justamente quem precisa mais..quem não teve boa escola e boa faculdade porque o "neguinho" que faz USP já tá com a "vida ganha"..trabalha em bons escritórios que pagam bem...possui uma gama de opções..dentre elas..tocar o escritório da família ou mesmo prestar conscurso prá juiz, ministério público, procuradoria...e os "pobres diabos" aqui...que não passam na prova cada vez mais fácil da OAB?..se virem...não tiveram um bom ensino fundamental e uma boa faculdade..eu, graças a Deus sou advogada, passei no 137..mas não é porque passei que acho que o critério da OAB é certo e justo..médicos, que trabalham com vidas não prestam prova alguma e vivem cometendo crimes...e não se submetem a prova alguma..e nós aqui temos que nos submeter? não acho certo que só direito tenha essa prova e sobretudo que somente os estudantes de direito tenham que se submeter a provas cada vez mais dificeis que não avaliam nada..ao passar na prova não mudei a minha concepção de que é necessário estudar sim prá essa prova..não esperar só da faculdade..mas o direito só se aprende com a prática e não é a prova da OAB que pode medir se vc está preparardo ou não para atuar..conheço estagiários péssimos que passaram no exame e não sabem escrever..como conheço ótimos estagiários que sabem muito mas ao ficarem nervosos estão tentando passar pela 3ª vez aqui em SP..

Anônimo,  28 de maio de 2009 16:19  

Esse comentário enormeeeeeeeeeeee do "anônimo" desabafando é tudo o que eu queria falar e mais um pouco, faço o exame no PR e sempre fico com 47/48/ 49 e assim vai. Agora eu pergunto esse critério é justo, caramba o cara que faz 50 é diferente dakele que faz 49??? Não claro que não, não é uma questão que vai fazer a diferença, eu me sinto des...desolada, desmotivada, desiludida...estou até agora pensando o que eu tenho que fazer pra conseguir esses miserento dos 50 pontos, sem conta que uma amiga ja fez 3 vezes a 2ª fase e que a peça dela estava apta a passar e nem com recurso passou, agora o recurso de 53 que foi pra 80, nossa esse sim deve ter se submetido a umas reza violenta. Na realidade eu fiquei com vergonha, sem tirar os méritos de quem conseguiu tal façanha, mas se eu fosse a Cespe jamais faria akilo cintunuava negando até a morte como ela faz nas questões objetivas...não é assim anula a seu bel prazer...As vezes chego a pensar que tenho que ser contra esse exame, mas minha consciência sabe que é necessário e faz parte ja que eu assumi o risco de fazer essa faculdade , aliás 5 anos de camelação sagrados, indo e vindo todo dia, agora do jeito que está eu não posso me calar....obrigada anônima...pela força!

anonimo 28 de maio de 2009 17:55  

Eu sou recém-formado e já estou sofrendo a presão de ter que passar no exame. Já ouvi inumeras frases e opiniões sobre o exame e, uma coisa é certa: a educação é fraca e as faculdades particulares não contratam professores qualificados. Sofri isso na pele, pois tive profesores péssimos. Diante do que eu disse, em breves palavras, estamos considerando que só existe um culpado, contudo isso não é verdade. É lógico que está havendo uma sacanagem por parte de quem formula as questões do cespe.
Ou o candidato decora o texto da lei ou se ferra......ou não entende o enunciado da questão.
Não estou dizendo que se trata de fazer uma prova fácil e sim uma prova com coerencia, sem pegadinhas e que tenha como principal meta aferir o conhecimento do candidato.
A minha visão hoje sobre a prova é de que o candidato tem que ter sorte para passar, isso porque como foi dito acima já vi pessoas que passaram na prova que não mereciam, como também vi pessoas aplicadas e estudiosas que não passaram, pura injustiça....então penso que passar no exame de ordem é pura sorte!!!!!!!

Anônimo,  28 de maio de 2009 18:45  

É sim, creia piamente, é pura sorte. Posso categoricamente afirmar isto porque fiz o exame, passei, mas é pura sorte. Não tem outra explicação para uma insanidade dessa chama exame de ordem.Na verdade não é insinadidade não, é esperteza mesmo. É um monte de gente enriquecendo a custa dos bacharéis em direito. Já pensou quantas pessoas enriquecem com o exame? Pense, são muitas mesmo: OAB, CESPE, autores de livres, editoras, cursinhos...e por aí vai.

Anônimo,  28 de maio de 2009 19:34  

O ridículo indice de aprovação no exame 2009.1, notadamente no Estado de São Paulo, aumentou as críticas que os dirigentes da OAB sempre fizeram acusando os bacharéis em direito de desqualificados e acusando as faculades de serem apenas mercantilistas em detrimento do ensino jurídico. Claro que a OAB faz isso de forma premeditada, e elaborou propositalmente uma prova ainda mais difícil, que exigiu muito mais decoreba que as anteriores, para que o indice de reprovação fosse mesmo muito alto, justamente para falarem para os senadores, enganarem os senadores, no sentido de que o exame não pode acabar, que o Projeto de lei 186/06 que está tramitando no Senado Federal não deve ser transformado em Lei. Hoje vi uma matéria na TV de Ribeirão Preto, onde um dirigente da OAB insinua de forma contundente, inclusive, que existe algo de "podre" entre faculdades, juizes, promotores e delegados, ou seja, acusou esses órgãos de armarem um esquema de "estelionato esstudantil" em benefício das faculdades, já que quase todas elas preferem contratar professores que detenham os citados cargos. Eu acho que tudo isso faz parte do circo armado pela OAB para enganar os senadores, ela está com medo da mina de ouro (arrecadação das taxas de inscrição) secar. ESTÁ PASSANDO DA HORA DE UMA CPI SER INSTALADA para apurar o exame, é preciso que de uma vez por todas que a verdade apareça. A sensação nítida que tenho é que a OAB está criticando de "araque", a sensação que tenho é que está tudo combinado com as faculades para que as críticas ocorram (tá bom demais assim, tá todo mundo enriquecendo fácil, pra que mudar?). É que nem o governo que é favorável à taxa de juros alta, mas combina com uma autoridade importante do governo apra "meter o pau" na taxa de juros só para a sociedade pensar que o governo é contra e o Banco Central é que mantém a taxa elevada, só que eles esquecem de comunicar para a sociedade que no Brasil o Banco Central não tem autonomia, ele age conforme determina o governo federal.

Anônimo,  28 de maio de 2009 19:45  

Pelo número de aprovados, não se pode mais dizer Exame de Ordem e sim Concurso para a OAB

Anônimo,  28 de maio de 2009 20:28  

É muito complicado...tudo..terminar um curso, passar nessa prova que não te qualifica para absolutamente nada..é desumano ver reportagens em que taxam nós, futuros advogados de burros por não passar em uma prova cada vez mais fácil..eu como disse no comentário acima, sou advogada mas apesar de ter passado não concordo com o critério desse exame..como disse em outros comentários..a OAB tem seus numeros com base nas universidades públicas e isso não é coerente..sequer para o D´urso aqui em SP que fez FMU e não um curso em uma universidade pública..eu também tive muita pressão pra passar nessa maldita prova e como já tava toda ferrada, cheia de dívida saí do escritório que eu trabalhava...é inadmissível você ter que ouvir que se não passar na prova da OAB não está qualificado e não possui o conhecimento necessário prá ser advogado..isso não existe..então quer dizer que a pessoa que presta 2, 3, 6 vezes o maldito exame não está qualificado?..está sim..muitas e na grande maioria das vezes mais qualificado do que o próprio examinador que corrije a sua prova, porque esse, decerto não passaria na 1ª fase pelo tanto de pegadinhas medíocres que a prova contém..eu graças a Deus estou livre dessa tortura e consegui passar de primeira mas ainda assim penso que essa prova não qualifica ninguém..antigamente existia a figura dos rábulas..nem sequer tinham cursado direito..ainda mais na época do império..e eram os advogados dos pobres..e hoje? o que temos? uma OAB elitista..que só sabe dizer que o ensino juridico é ruim e que o problema vem desde o fundamental..seria melhor e muito mais corente que ela enxergasse a realidade e parasse de pautar os péssimos resultados das provas em candidatos que fizeram Largo São Francisco..realmente, para esses a prova é fácil..mas prá quem vive a realidade de não poder fazer uma universidade pública se depara com uma prova dessas..

Anônimo,  28 de maio de 2009 23:17  

Se fosse fácil o indice de aprovados da São Francisco chegaria nos seus 95%. Repito o que já cansei de dizer: o ser humano é ser humano, não é máquina e nem computador para memorizar uma infinidade de textos de lei, súmulas, jurisprudência, regulamento de OAB, Código de Ética. etc. etc e etc.Repito, prova objetiva só é útil para concurso público, porque lá é preciso delimitar quantidade para o preenchimento de vagas, não há vaga para todos e por isso um critério de desempate é a prova. Mas dizer que prova objetiva avalia alguma coisa? Nem aqui e nem na China. O que me revolta é que os obejetivos da OAB com o exame estão bem claro, mas ela os nega até "morrer": reserva de mercado; e arrecadação via taxas de inscrição. E pior, nega chamando todos os bacharéis de burros.

LEITURA,  29 de maio de 2009 07:51  

Sei que todos que lerem meu comentários vão desaprova-lo, mais o que eu disse outro dia eu reitero: O exame da OAB não é dificil e este último em especial achei bem moderado. O problema é que a grande maioria dos bacharéis em direito não estão acostumados a ter na leitura um hábito.Tirei a minha carteira em 2006 e de lá para cá continuo estudando, e percebo que a cada nova leitura eu me aperfeiçoo. Todos que ainda tentam passar no exame quando passarem vão pensar como eu penso. E pasmem: vão chegar a conclusão de que o que sabem é muito pouco frente ao desafio de advogarem e precisou de muito pouco para passarem no exame. Uma dica: leiam sem a obrigação de aprender, faça da leitura uma hábito prazeiroso.Perceberão que com o tempo sentirá necessidade de ler assim como que pratica uma atividade esportiva, e o melhor farão a prova sem medo e com a convicção de que sabem e muito bem o que estão fazendo. Boa sorte a todos.

Anônimo,  29 de maio de 2009 09:03  

O problena não é o exame da ordem, e a falta de coragem do governo em investigas tais faculdades caça-níqueis...e resolver esse problemão que está virando um ice-berg, poderemos ter no país uma revolução "armada" dos bachareis contra a oab...liberdade.
A não ser que todos as profissões sejam regulamentadas e passaram por essse tipo de prova.
Parabén pelo blog.

Anônimo,  29 de maio de 2009 12:26  

"LEITURA", é sempre assim, os que conseguem aprovação no exame, ou quase todos, nunca falam que ele é dificil ou, nunca são contráros a ele. Meu caro, leitura é uma coisa, "decoreba" é outra coisa. Você pode ler um livro e saber contar para qualquer um o conteúdo do livro (nesse caso você aprendeu), mas quase nunca saberá dizer para alguém o texto exato do que você leu (nesse caso é exercício de "decoreba"). Muita gente, como é o seu caso, confunde aprendizado com "decoreba". Se tiver mais de 3 questões nessa última prova do exame que exigem aprendizado, que exigem raciocínio lógico jurídico do bacharel, eu "mudo" meu nome para Zé Mané. Tenho percebido que as pessoas, como é o meu caso, não são exatamente contra o exame, mas são contra a sua forma.Por exemplo, não tem sentido existir uma prova objetiva para avaliar se o bacharel está apto a advogar. E não precisa, justamente porque esse tipo de prova e nada são as mesmnas coisas, não avalia porcaria nenhuma. Olha, um piloto de um avião tem que saber (ter na memória, ainda que seja decorado), rigorosamente todos os comandos da aeronave que ele pilota, pois se não souber o avião pode despencar lá do alto; o médico que está realizando uma cirurgia tem que rigorosamente saber os procedimentos que deve adotar, pois se não souber o paciente pode morrer na sala de cirurgia. Mas, e o advogado, se ele não souber o texto de uma lei isso terá alguma consequência? NENHUMA, absolutamente nenhuma, até porque se a lei existe ela pode ser consultada e nenhum advogado faz nada sem antes estudar o caso e ele estuda consultando as leis, colegas, ou seja lá o que diabos for; então, por aí já mostro para você que não precisa o bacharel ter memorizado nada, o que ele deve saber é raciocinar juridicamente, é saber onde encontrar as regras jurídicas, é só isso.Mas aí vem uma prova estúpida que exige que ele, bacharel, tenha decorado o texto das leis. Tem sentido isso? NÃO TEM MESMO. E como avaliar se o bacharel tem raciocínio jurídico lógico? É fácil demais, basta pedir que ele faça uma peça práticoprofissional, aí sim, ele demonstrará seu conhecimento e habilidade para o exercício da profissão, a sua vocação para a advocacia.Ou você acha que algum advogado faz suas peças no dia a dia sem consultar livros, leis, súmulas, jurisprudências, etc? Só se for na sua cabeça pensar que um advogado faz tudo sem consultar nada.Alguém pode dizer: mas se o advogado não souber o texto da lei ele não fará uma boa audiência. Como não fará uma boa audiência, se tudo o que acontecerá lá será o que está nas petições? Ou você acha que o juiz vai perguntar para ele, advogado, quem descobriu o Brasil, ou quem pode outorgar a Medalha Rui Barbosa (exame 137 de SP), ou vai pedir para ele discorrer sobre o princípio da legalidade ou coisa do tipo? Vamos ser sensatos, comentar por comentar, para querer mostrar sabedoria que não tem é burrice (pode até alguém ter um certo nível de sabedoria, mas exame de ordem não é capaz de fazer essa medição). Aliás, se existisse algúm gênio, ele acertaria as 100 questões da prova objetiva do exame e você já viu na história do exame isso acontecer? A grande maioria não passa de 55 acertos, só alguns (POUQUISSÍMOS) conseguem mais de 60 acertos. E se só alguns poucos acertam mais de 60 e quase nunca alguém acerta mais de 70 (são as raridades das raridades), você não acha que algo está errado nessa prova? Ou todos os bacharéis do Brasil, rigorosamente todos, são burros, ao ponto de ninguém conseguir acertar mais de 85 questões? Pense nisso, seja honesto para com a sua conciência, pois isso faz bem para a alma.Quer criticar critique, mas não queira achar que no exame só passa quem aprendeu.

Anônimo,  31 de maio de 2009 19:44  

Toda essa celeuma chegaria ao final se todos os Presidentes de seccionais e inclusive o Presidente nacional da oab Cesar Brito se posicionassem com boa vontade e frente à imprensa para fazerem o exame e com isencao fosse esse exame corrigido e publicado seu resultado ... se passarem calaremos de vez.

Dr. Mauricio um forte abraço e sucesso, seu blog é o BOLG.

Bonasser

Anônimo,  1 de junho de 2009 18:07  

Eles passarem? Puts, se nem eles que elaboram as provas sabem as respostas ascha que sriam aprovados? Jamais.Como também 99,99% dos advogados militantes não passariam.

Anônimo,  4 de junho de 2009 16:41  

A OAB fala que o exame da ordem é para selecionar os bachareis de direito que estão em perfeita qualidade e capacidade para ingressarem no mercado. Pois bem, partindo desta posição da própria OAB, chegamos à uma conclusão que os advogados que ingressaram na atividade antes da aplicação do exame não estão capacidados e não têm qualidade sufciente para exercerem a atividade e não são capaciados à exercerem os cargos que ocupam na OAB. Porque nosso ilustre Presidente da OAB não faz uma prova do exame juntamente com todos os advogados que ingressaram antes da aplicação do exame para assim qualificarmos a nossa atividade. Não sou contra o exame da ordem, mas quero que aqueles que dizem ser ADVOGADOS, que seja aplicado o exame para tais.

Anônimo,  4 de junho de 2009 16:47  

QUERO VER O PRESIDENTE DA OAB FAZER A PROVA E PASSAR!! SERIA UMA VERGONHA NOSSO PRESIDENTE SER REPROVADO POR UMA PROVA TÃO FACIL DESTAS, RECOMENDO FAZER A PROVA DE CABEÇA PARA BAIXO PARA MELHOR COMPREENSÃO DAS QUESTÕES.

UM ABRAÇO A TODOS OS BACHAREIS DE DIREITO E A TODOS OS LEGITIMOS ADVOGADOS,QUE SÃO AQUELES APROVADOS NO EXAME DA ORDEM!!!

Anônimo,  5 de junho de 2009 18:11  

Gnte, vamos sugerir ao CQC pegar algumas questões da prova e perguntar para os presidentes da OAB, principalmente ao do Conselho Federal e o de São Paulo. Seria para rachar de rir.

Anônimo,  10 de junho de 2009 10:44  

O Exame da Ordem virou quase "missão impossível", pois não visa somente testar o conhecimento dos alunos e sim sua perspicácia diante das pegadinhas, seu emocional e resistência. Já fiz a prova 4 vezes e não consigo obter a aprovação. A 1ª prova que realizei fiquei reporvada na 2ª fase por 1 ponto. Fiquei arrasada emocionalmente e de lá pra cá meu rendimento só cai, pois além das cobranças externas me sinto culpada por não ter conseguido estudar numa faculdade pública ou não ter tido grana para pagar a PUC. Nem tenho intenção de advogar, minha meta é concurso público, mas sem conseguir ao menos a carteira como posso me focar nos estudos para consurso publico??
Não sou de opinião que a prova deva ser abolida, mas sim que seja elaborada com mais coerência, pq não aplicar somente a 2ª fase?
Afinal, não adianta passar na OAB e depois não estudar ou se dedicar ao que vc pretende, pois com tanta concorrencia no mercado ou vc corre atrás, estuda e se dedica para conseguir/manter o emprego ou concurso ou vc ficará fora do jogo.
Nosso emocional fica tão abalado por conta dessa prova que fica muito difícil encontrar ânimo e disposição para continuar.
Essa prova já virou uma forma de ganhar dinheiro... vcs acham que os donos de cursinhos e a OAB vão querer deixar de faturar toda essa grana 3 vezes ao ano????
Abraços a todos os bacharéis!!

Postar um comentário

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP