Como estudar para o exame de ordem

terça-feira, 10 de março de 2009

Os bacharéis têm sempre uma pergunta na ponta da língua: Como devo estudar? Naturalmente que existe uma enorme variedade de formas de se estudar, mas vou abordar aqui um sistema que se adapta melhor para quem deseja passar no exame de ordem.

1 - O primeiro passo é ler a lei seca. O Cespe majoritariamente estrutura suas questões valendo-se meramente da legislação nua e crua. Logo, dar uma boa lida na Constituição, nos códigos, e nas leis que o exame aborda (ECA, CDC, Legislação ambiental e afeita ao direito internacional), estrutura a base necessária para se enfrentar a prova. É importante consignar que a legislação referente à deontologia jurídica é de suma importância, pois não há grandes divagações doutrinárias sobre ela, e, como esse universo é relativamente restrito, o candidato tem grandes chances de acertar as dez questões, o que representaria 20% do necessário para conseguir aprovação na primeira fase.

2 - Exercícios são essenciais para adaptar o candidato ao sistema de perguntas do Cespe. Se você está começando a estudar agora, aproveite e faça de imediato uma das provas anteriores, para sentir como está seu preparo. Não se assuste se conseguir responder inicialmente apenas 20 ou 25 questões - isso é normal para quem está "cru". Resolva pelo menos 15 provas antigas do exame. Além das provas do Cespe, eu recomendo as provas da OAB/DF e da OAB/RS, que até então tinham um bom nível de dificuldade. Depois de resolver muitas provas, compreender seus próprios erros e superá-los, você adquirá alguma malícia para enfrentar o seu vindouro dia da verdade. Tem um livro no mercado (Exame de Ordem Nacional - Editora Método), do Dr. Marcelo Hugo da Rocha (foto), com 500 perguntas resolvidas e comentadas, que pode servir de excelente guia para quem pretende resolver muitas questões. Não sei o preço do livro, mas creio que é bastante razoável.

3 - A Doutrina direcionada para o exame de ordem é distinta e peculiar. Isso decorre de dois fatores básicos - A prova do exame de ordem não aborda os institutos jurídicos com profundidade e o tempo de preparo é muito curto. Em razão disso, a produção editorial nessa seara é farta, representada pelos famosos resumos jurídicos, que se amoldam à perfeição dentro desses dois fatores, convergentes entre si. Para o exame de ordem, a leitura dessa doutrina, em conjunto com a leitura da legislação e da resolução das questões, ajuda a formar o arcabouço necessário que o candidato precisa para lograr aprovação na primeira fase. O mercado proporciona ampla fartura de publicações nesse sentido. Não indico uma em específico porque de um modo geral todas se parecem.

Você pode me perguntar: Devo fazer um cursinho? Depende como você se sente como candidato, ou depende se você pode pagar por um. Se puder, independente da forma como você se sente como candidato, eu aconselho a cursar. Por outro lado, se tens muita confiança em si mesmo ou está com a grana curta, pode prescindir de um cursinho, desde que se dedique seriamente aos estudos. Cursinho é bom, pode ser ótimo, mas não é imprescindível.

Lembre-se que não existe fórmula milagrosa ou revolucionária de estudos. Se alguém tentar te vender essa idéia, desconfie - Te garanto que nesse campo não há nada de novo sob o sol. Sucesso ou fracasso, de um modo geral, estão atrelados mais à persistência e dedicação do que a métodos mirabolantes. Claro que inteligência conta, mas, até onde eu sei, deficiências intelectuais podem ser perfeitamente superadas pelo esforço e empenho. Logo, se você se acha burrinho, alegre-se! Há esperança!!!

A soma de um bom esforço, com a leitura da doutrina adequada, da legislação, com a resolução de exercícios, serão a chave que te abrirá as portas da OAB.

Mas mesmo assim (sempre tem um porém) as coisas podem sair do esquadro, e, apesar dos esforços, você pode colher o fracasso e se frustrar, apesar do seu empenho. Isso decorre geralmente da falta de estratégia para enfrentar o exame.

Antes que você ache que eu estou me contradizendo com o que acabei de escrever sobre métodos mirabolantes de estudo, devo alertá-lo que estratégia não se confunde com uma aludida "revolução na forma de estudar" - Eu explico.

O exame de ordem, se analisado na sequência em que já foi aplicado, e, da forma como é aplicado, revela-se uma prova telegráfica - ou melhor - mapeável. Não estou aqui querendo dizer que sei mais ou menos o que cairá na próxima prova - isso seria futurologia, e eu não tenho vocação para cartomante ou pai-de-santo. Como você já deve saber, e, se não sabe, descobrirá rapidinho, a prova vem dividida em vários "setores", cada um dedicado a um campo do direito, tal como o direito constitucional, administrativo, penal, etc, etc. Esses campos podem ser divididos naqueles que são mais importantes (o grau de importância é determinado pelo número de questões que cada campo tradicionalmente apresenta nas sucessivas provas). Logo, os três campos mais importantes são o direito civil, direito penal e direito do trabalho, cada um apresentando na média 15 questões por prova. Depois temos o direito constitucional, administrativo, tributário e deontologia jurídica, cada um com aproximadamente 10 questões por prova. E, ao fim, vêm os campos menos relevantes, como direito internacional, ECA, ambiental e consumidor.

Sabendo disso, o candidato deve eleger as matérias para estudar que, concomitantemente, têm um maior peso na prova e que lhe sejam mais fáceis de estudar. Por exemplo, se eu fosse escolher um grupo de matérias para dar uma maior prioridade, escolheria constitucional, administrativo, trabalhista, ética e civil, exatamente por ter uma maior afinidade com elas. Assim, eu sugiro ao candidato que monte um grupo prioritário de matérias para estudar, combinando suas preferências pessoais com as matérias que possuem o peso certo.

E o que é peso certo?

São as matérias que, combinadas, darão ao candidato os 50 pontos que ele precisa para lograr aprovação. Não se esqueça, você não precisa de 80 pontos para passar, e sim de 50, somente cinquentinha. Cinquenta e um pode ser até uma boa idéia, mas para o seu propósito, eu asseguro que é um exagero. VOCÊ SÓ PRECISA DE 50 PONTOS!! A sua estratégia de estudo tem de priorizar as matérias que lhe darão os 50 pontos. "Mas jogar esse jogo olhando só para o limite de 50 pontos não é perigoso?" Claro que é! Eu disse que as 5 matérias são sua prioridade, mas você não deve neglicenciar as demais, por óbvio. A soma das matérias prioritárias com as demais é que lhe dará o sucesso, inclusive porque é virtualmente impossível que você estude apenas 5 matérias e acerte 50 pontos cravados. No entanto, com essa estratégia, você evita estudar como se fosse um franco atirador, atirando para todo lado sem saber o que estudar e o quanto estudar. Essa estratégia tem o único propósito de permitir que você racionalize seu estudo, dando-lhe um foco e uma meta, estudando com a segurança de que está no caminho certo, exatamente porque tem uma estratégia para seguir.

Lembre-se, seu tempo de estudo é limitado. A próxima prova será em abril, ou, no mais tardar, em maio. O tempo, e somente ele, determina a estratégia a ser adotada.

Logo, esqueça o Big Brother e vá estudar. A carteirinha cai sempre na mão de quem faz por merecer. Nem mais, nem menos.

Bons estudos!!

7 comentários:

Anônimo,  11 de março de 2009 12:24  

Como uma pseudo-professora pode afirmar q a banca "odeia o Nucci", ainda mais nessa última prova q foi bastante peculiar devido a mudança na legislatura de processo penal e a ausencia de livros atualizados no mercado? Além do amis, quem passou na 1a fase logo de cara, antes das anulações, se preparou tb bem antes e comprou o q havia disponível no mercado, e com muita luta! Isso é fato? A banca da Cespe "odeia o Nucci"? Ora, por favor, ficar defendo doutrinadores q foram importantes no seu tempo, mas hoje estão mortos e ultrapassados não me parece inteligente para quem quer de fato ensinar.

Paulo César - Itapema,  11 de março de 2009 14:16  

Eu não tenho nada contra o Nucci.
Eu concordo com o Blog no sentido de priorizar determinadas matérias. Eu tinha uma idéia de priorizar 4 ou 5 matérias (e o fiz), mas tinha idéia que seriam 10 questões de cada disciplina, o que nos restou provado que não ocorre(u). Concordo com o Blog e acrescento na receita uma boa "pitada" de calma, controle emocional e do tempo. Tem examinando que chega ao final da prova (faltando 15 min) com apenas 85 questões analisadas. E nas demais questões é puro chute. Assim dá, ounão dá? Controlem o emocional e o tempo.
Boa sorte (e estudo) aos que farão 2009.1.
Abraço

Anônimo,  11 de março de 2009 19:46  

Uma professora de Penal do Rio! Quase infartou a gente. Ainda bem q não fizemos as aulas dela... Estamos esperando resultado e ela solta isso? Falta, no mínimo, pedagogia. A questão levantada foi o nome da peça X fundamentação. Cada região dá 1 nome! Ninguém no rio chama de "resposta á Acusação". Nenhum curso de todos os q fizemos, utilizou tal expressão. Mas fundamentamos certinho. Usei "resposta preliminar" pq são 2 palavras presente no art 396-A e achei + seguro. Mas o Nucci continua usando, como os mais antigos, defesa prévia. Acredito q o importante é a fundamentação e o conteúdo. Afinal, tem diferença no produto em si se chamarmos de fecheclair, fecho ou ziper? Somos 1 país plural, já diz o preambulo. Se isso gerar diferença de pontuação, o "nome" em si da peça, farei 1 recuso "sociológico"! E tenho dito! Não é pq só conheço tangerina q não existe mexerico :)

Waldinéia R de S Ricardo,  17 de março de 2009 14:40  

Parabéns Maurício pelo excelente blog, adorei.
Estou me deliciando com as dicas de estudos que você nos passa, maravilhoso!
Ótimo o comentário do Paulo César, quanto ao comentário anônimo, nada a declarar, certa que, pessoas que se manifestam no anonimato não merecem minha atenção e muito menos interesse.
Contabilista a quase 10 anos e formada em Direito em 2008, eu prestei o meu primeiro exame CESPE/SP DE N.137, fiz somente 40 pontos, estou estudando muito agora, não irei desanimar NUNCA!!!
Passarei pelo seu blog todos os dias! Obrigada por nos ajudar!

Deus te abençõe Maurício.

LuBezerra 14 de abril de 2009 01:37  

Parabéns pelas dicas, vou seguir à risca... curiosamente já tinha encomendado o livro que sugeriu, fico feliz que seja bom mesmo! Comprei na editora por 48. Ia comprar um maior com setecentas e não sei quantas... aí me ocorreu que eu talvez não tenha tempo pra analisar tudo, achei melhor comprar esse que está inclusive mais atualizado... agora é torcer pra chegar logo!
Um abraço.

Marcinha Maciel,  22 de abril de 2009 15:41  

Nossa, adoreeei as dicas MauricioO, fiz minhas anotações e vou seguir siim...adorei msm o teu blog, ajuda bastante e tira um pesinho da consciência depois que se lê...rsrs.
Boa sorte a todos, inclusive a mim..
Bjuuxx!

Postar um comentário

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP